agir

Chegou a hora de escancaramos as portas das prisões mentais que limitam a humanidade à milhares de anos. Não pode continuar a escravatura mental, emocional, espiritual, e física dos homens, mulheres e crianças deste planeta. O mais incrível é que é uma escravidão auto imposta, para se manter na normose; Doutra forma corre-se o risco, dum internamento compulsivo, imposto por um amigo ou parente.

 Sentimos o clímax de uma mudança global. Tudo muda a uma velocidade alucinante, ao mesmo tento que entramos numa espécie de auto-hipnose, como robots controlados por microchips, negando a verdade, esperando pelo D. Sebastião.

Encontramo-nos numa encruzilhada, tudo que se tinha tomado como certo já não funciona. A forma como fomos educados, alicerce espiritual de nossas crenças, além de obsoleto, esmaga-nos entre a culpa e o medo.

Chegou a hora de montar o medo e cavalgar nele; os temidos fantasmas não passam de fantasias criadas pela ignorância, ou pela visão que nos foi incutida de mundo.

Agir é a palavra de ordem.

Agir é aceitar a impotência em que me encontro em relação a esta hipnose coletiva, que me mantém dentro do sistema em que todos são vitimas de outras vitimas.

Agir é ter coragem de responsabilizar a caridade no perpetuar da pobreza.

Agir é eu ser o que quero que o mundo seja.

Agir é estar aberto a mudar.

Sem mudança, nada muda.

António Shiva