Brilhar ou não Brilhar.

  • 0

Brilhar ou não Brilhar.

Brilhar ou não Brilhar, eis a questão!

 

Quantas vezes me dou á procura de algo que seja bom para os outros? Quantas vezes fico a medir as palavras, procurando ajustar a quem as vai ler ou ouvir? Quantas vezes me dou conta de estar a tentar mudar os outros?……Muitas…E sabem que mais? Simplesmente não funciona!

 

Já assisti a desbloqueio enormes, a partilhas Maravilhosas, resultantes de Partilhas e desbloqueio meus. As Pessoas sentem-se tão gratas, que querem mostrá-lo; eu sinto-me bem com isso, mas por vezes quero manter essa experiência. Quero continuar a beber desse sucesso, desse momento, que já passou, e que foi muito bom, mas já teve o seu momento! A Vida é feita de pequenos momentos, e todos eles são bons. Temos tendência para querer eternizar os “bons momentos” e tentar anular os “maus” (como se soubéssemos o que é Bom ou Mau, e ignorando a nossa própria experiência dos resultados Maravilhosos, em nós mesmos, daquilo a que tomamos como “mau” para nós…).

Então, eu queria sempre ser esse centro, em que tenho esse dom de despertar a riqueza nos outros, o seu melhor! E todos temos esse dom! Todos nós! Mas apenas se fizermos uma coisa – Falarmos de nós!

Quando falo com o coração, dizendo o que me vai na alma, partilhando o que me incomoda, ou o que me deixa feliz, ai sim, a coisa funciona. Só assim eu posso despertar algo no outro, pois estamos todos inter-ligados energeticamente, e só se falar de mim posso tocar no coração do outro, porque todos temos as mesmas características.

Se falar de mim: dos meus medos, das minhas ansiedades, Raivas…do que me incomoda, das coisas que não sei lidar (ainda), das obsessões, das vitimizações, de todos os processos de fuga e outros mais…se falar do que já consegui, das bênçãos, das vitórias (sobre mim mesma), do que me deixou Feliz, do que sinto, etc.…

Que mais riqueza poderia proporcionar ao outro? Se não a minha experiência sobre tudo o que já passei, tudo o que já consegui, e as formas que funcionaram, e as que não funcionaram?

Quem sou eu para dizer o que os outros devem ou não fazer? Mas posso dizer como eu fiz!

Lembro-me perfeitamente dos últimos momentos que passei com o meu Avô Paterno. Falava-me das suas Vitórias, dos seus fracassos; do que tinha conseguido alcançar; de onde veio, e onde chegou; o que funcionou para ele, o que não funcionou, as conclusões a que chegou…por onde passou, o que o deixou Feliz, o que o deixou triste…

O que posso dizer de tudo o que ele me disse? Posso dizer que foi certo, ou errado, o que ele fez? Posso julgar, tentando dizer que eu faria de outra forma? Posso minimizar a sua experiência porque sou mais nova e o meio em que nasci nada tem a ver com o que ele viveu?

Lembro-me de estar deliciada a ouvir tudo aquilo…

Ninguém poderia acreditar que uns anos antes eu não suportava sequer a sua presença, e naquele instante tudo fazia sentido; o carinho que senti por ele era sinal de que me havia libertado de toda a raiva, revolta, que havia criado sobre ele, devido a mal-entendidos familiares.

O que ele fez naquele momento foi apenas falar da sua experiência; nada mais. Se eu quiser aproveitar, posso não tropeçar no mesmo que ele tropeçou. Posso usar as mesmas ferramentas se quiser os mesmos resultados! Mas quem sou eu para julgar se foi certo ou errado? Em vez de Aceitar essa enorme riqueza que ele partilhou comigo?

Ai está a diferença de querermos mudar alguém, ou simplesmente lhe proporcionarmos a nossa experiência, Aceitando plenamente o seu caminho, a sua liberdade e individualidade. Tudo são lições para nós. Precisamos ver com clareza que por vezes somos alunos e outras somos professores, e que não há mal nenhum nisso!

Só um coração desperto pode despertar outro…

Quando falamos de nós Brilhamos sempre, mas apenas quando falamos de nós!

 

Obrigado,

 

Nota: o que é aqui escrito é a minha experiência. O que se pretende aqui é dar a conhecer experiências do dia-a-dia, que poderão ser úteis a quem se identificar com elas. Isto não invalida o facto de que a verdade está em constante alteração, assim como também a nossa consciência, que com as nossas experiências vai evoluindo.

Não se esqueçam: A única coisa que temos, como garantia, nesta vida, é a Mudança!

Composto e Postado por:

Elisabete Milheiro


Leave a Reply

Sim, é possivel criar uma vida nova!!!