LINGUAGEM DO SILÊNCIO

  • 2

LINGUAGEM DO SILÊNCIO


Há os que falam muito e nada dizem e os que possuem no silêncio seu melhor argumento. Há os que falam muito e ninguém ouve e há os que são ouvidos quando se calam. Há discursos que não empolgam e há silêncios comoventes. Há ainda aqueles que quando falam, o silêncio se faz. Isso porque, lembrando Salomão, “as palavras dos sábios, ouvidas em silêncio, valem mais do que os gritos de quem governa entre tolos.” (Eclesiastes 9.17).

No livro das revelações somos informados que “houve silêncio no céu cerca de meia hora.” (Apocalipse 8.1) Alguns homens concluem do texto que não há mulher no céu; algumas mulheres veem neste silêncio a perplexidade sentida, diante do absurdo de se permitir a entrada de homens no céu. O silêncio, em verdade, antecede a criação e a revelação.

No julgamento e execução de Jesus, as várias tentativas de fazê-lo falar não tiveram êxito. Por mais intimidantes que fossem os métodos usados na tentativa de arrancar-lhe alguma declaração, o silêncio por parte do Mestre persistiu. De nada adiantou a tortura psicológica e física; Jesus lançou mão do direito de ficar em silêncio. Por não tomar posse deste direito, muitos de nós perdemos grandes oportunidades de ficarmos calados.

Para Jesus, o momento era de silêncio pois em cada um de seus algozes só existia espaço para ouvir os respectivos argumentos. O silêncio era, então, a possibilidade de levar seus acusadores a ouvir as próprias acusações e a perceberem a incoerência e a inconsistência sobre as quais eram formuladas. Seu silêncio, no entanto, se fazia esvaziado de ódio, mágoa ou desejo de vingança; de seu interior, tais densas e sombrias energias não emanavam. Seus olhos não faiscavam ira, mas destilavam bondade e compaixão. E foi neste estado de leveza, em face de toda brutalidade, que como incenso sua prece ascendeu a Deus nas seguintes palavras: “Pai, perdoa-lhes, pois não sabem o que fazem”.

Assim como há roupas para diversas ocasiões, vinhos propícios para diferentes pratos e copos para diferentes vinhos, há também silêncio com os mais variados propósitos e significados, oscilando entre o elegante e o inconveniente, entre os que geram benefícios e os que são nocivos.

Pensando nisso, ofereço uma pequena lista com alguns tipos de silêncio possíveis de serem observados, em variadas situações.

Silêncio Sábio, ou motivado pela prudência. É utilizado quando se percebe que os ânimos encontram-se exaltados, a descompensação se faz presente, o complexo assumiu a posse da consciência, a ira cegou a razão, a lucidez foi apagada, o ego encontra-se divorciado do Eu. Nestas circunstâncias, manifesta sabedoria quem se refugia em amoroso silêncio até que a “tempestade” passe, entendendo que “não havendo maldizentes cessa a contenda”. Sabe que muito mais útil do que ter razão é ter bondade; mais importante do que um argumento forte é um coração manso.

Silêncio acolhedor, quando face à dor do semelhante, causada por perdas humanas ou materiais, evita-se argumentar, comparar, justificar, explicar ou aconselhar, restringindo-se a estar perto, em silêncio, esvaziado das pretensas verdades, totalmente disponível, para sentir e ouvir o que o outro experiencia.  O silêncio acolhedor abre espaço em nós para que o outro se refugie. Nestas circunstâncias, um olhar encharcado de ternura, um abraço cheio de compaixão, estar presente de corpo e alma, é puro alento.

O silêncio extasiado. Quando, diante do que encanta e arrebata, quedamos em reverente silêncio, em prostração de espírito e de alma. Silêncio que nos assalta diante do mistério da vida e da morte ou da magia da Criação. Silêncio que relativiza todas as vozes e faz cessar todos os argumentos, ao sentir no coração a presença divina, ao ouvir na alma a voz de Deus, quando na mística da fé contemplamos o Eterno Mistério.

Silêncio imposto. Quando pelo uso da força cala-se a voz do mais fraco, do injustiçado, do discriminado, do oprimido, do marginalizado. Silêncio imposto pelo medo, gerado pelas armas do poder económico, político e religioso que perpetuam a escravidão, a repressão, a culpa, o julgamento e a condenação. Silêncio de quem se tirou a voz e a vez.

Silêncio conivente. De quem se deixa calar por benefícios injustos, de quem possui a consciência estuprada pelo ganho ilícito. Silêncio comprado, fruto do desavergonhado diálogo entre o corruptor e o corrupto. Tem a verdade como mercadoria de troca onde o que é direito é silenciado em benefício da ganância; quando diante da oportunidade ilícita sobressai a falta de caráter e “vende-se a alma ao diabo”.

Silêncio covarde. Quando diante da maldade, da corrupção, do estelionato, do desmando e da injustiça praticada nos domínios familiar, económico, político e religioso, opta-se por manter-se a “língua presa” no céu da zona de conforto na qual medrosamente se abrigou. O silêncio covarde é o silêncio da omissão, aonde o maior dano não vem só dos malfeitores, mas também e sobretudo dos cidadãos de bem que se mantém omissos.

Silêncio que fere. É silêncio motivado pelo ódio, pela indiferença, pelo sentimento de vingança, pela incapacidade de perdoar, de acolher e de amar. Neste aspecto, lembrando Rodovalho, “o silêncio é um recado. É a pior carta que alguém pode enviar para o outro.” Tal silêncio é capaz de infernizar e produzir enfermidade em quem o protagoniza, podendo ainda causar muito sofrimento ao alvo da aridez de tal comportamento.

Silêncio Buscado. Lembro aqui do silêncio praticado pelos “Nadistas” que sugerem desconexão de aparelhos electrónicos por algum período, o que sem dúvida é muito salutar; além de potencializar a criatividade, pode evitar o “burn out“, transtorno psíquico que mescla esgotamento e desilusão. O objectivo principal do silêncio buscado, no entanto, é nos conectar connosco mesmos, levando-nos a tomar consciência do próprio corpo, sentir a respiração, o coração, reencontrar a alma, mergulhar no nada grávido de criatividade.

Tal silêncio nos liga à essência divina que nos habita, reconcilia o ego com o Eu, faz-nos íntimos de Deus, liberta-nos da aparência, redirecciona e suaviza a existência. Harmoniza os pensamentos, sentimentos e relacionamentos, possibilita e potencializa a meditação, dá profundidade à oração, além de ser saúde para o espírito e para o corpo.

Há silêncio e silêncio, carregando cada um sua própria singularidade, linguagem, propósitos e resultados. Há o silêncio altruísta e o egoísta, o que fecha e o que abre, há o que constrói e o que destrói, o que abençoa e o que amaldiçoa, há o que gera paz e o que perpetua o ódio. Há silêncio que cura e que faz adoecer, há o que é fruto de amor e o que é fruto do ódio.

Lançar mão do silêncio, como instrumento abençoador, exige coragem, maturidade, esvaziamento, proatividade, autocontrole, sabedoria e auxílio divino. Que ao silenciarmos o façamos movidos por amor, com o desejo de abençoar sempre.

Por : Oliveira Fidelis Filho

Teólogo Espiritualista, Psicanalista Integrativo, Administrador,Escritor e Conferencista, Compositor e Cantor.
E-mail: fidelisf@hotmail.com
Visite o Site do autor


2 Comments

Vânia Pereira

Janeiro 26, 2011at 9:21 am

Muitas vezes quando deveria ficar em silêncio não o faço, ou quando deveria abdicar dele permaneço no seu conforto.
Através do silêncio sinto, vejo e ouço o mundo de forma diferente, uso o para estar comigo, para reflectir, para me encher de energia, para aprender mas muitas vezes também é me útil para me encher de raiva, de mal estar…
Talvez se um dia todos nós humanos aprendermos quando e como abraçar o silêncio tudo permaneça em equilibrio.

Mafalda Carvalho

Janeiro 30, 2011at 6:27 pm

Para mim, a linguagem universal e mais explicita é a do silêncio. Com tudo o que me tem acontecido nos últimos tempos, aprendi a entender a linguagem do silêncio e cada vez mais aquilo que depreendo do meu silêncio e do silêncio dos outros é o que mais sentido faz em determinados momentos da minha vida. E também me têm feito crescer e evoluir com ser humano, portanto, o silêncio é um ensinamento.
Mafalda Carvalho

Leave a Reply

Sim, é possivel criar uma vida nova!!!