A SIDA

A SIDA

 

Bloqueio físico

A SIDA ou síndrome de imunodeficiência adquirida apresenta os sintomas de 25 doenças. Existem numerosos livros escritos por cientistas americanos e europeus sobre esta doença, a qual parece ser objecto de grande controvérsia. De facto, se um paciente não é seropositivo, mas sofre, por exemplo, de um cancro, de reumatismo articular, de sarcoma, de pneumonia, se tem diarreia, está atacado de demência, de micoses, de
tuberculose, se tem febre, uma erupção herpética, todas as espécies de sintomas neurológicos ou deficiências, então não tem com que se afligir, pois são doenças correntes perfeitamente normais, segundo as concepções em vigor até agora. Mas basta que a mesma pessoa seja seropositiva para que todos estes sintomas se tornem subitamente “sidáticos”.
É importante saber que a seropositividade não é a SIDA. Uma pessoa seropositiva é aquela cujo teste sanguíneo indica a presença de anticorpos HIV (Human Immunodeficiency Virus). Diz-se que 99% dos seropositivos não apresentam qualquer sintoma de SIDA.

 

Bloqueio emocional

A SIDA tem um laço directo com o amor a si próprio. Esta doença manifesta-se numa pessoa que não se ama e que, sobretudo, não aceita o seu sexo. Teria preferido nascer do sexo oposto. A doença está presente nos heterossexuais e nos homossexuais. Em certas partes do planeta, tal como a África, a Ásia e a Índia, a população heterossexual é a mais atingida em virtude da prostituição e das relações sexuais não protegidas. Nascem cada vez mais bebés com SIDA. Alguns acreditam que é uma doença sexual, mas é antes a doença dos que, não se amando, são levados a compensarem-se ao nível sexual para terem a ilusão de serem amados e aceites pelos outros. Tornam-se muito dependentes. Estas pessoas,que vivem a culpabilidade e a decepção face a si próprias, desvalorizam-se e muitas vezes decepcionam-se. A doença torna-se para elas a maneira de se castigarem, esperando, assim, neutralizar a sua culpabilidade. Castigam-se, pois, bloqueando-se ao nível das suas relações sexuais, o meio que mais utilizam para se sentirem amadas.

 

Bloqueio mental

Esta doença não é mortal se deixares de pensar que não mereces viver. Aceita a ideia de que cada decepção vivida, e que achas injusta, é causada por demasiadas expectativas de ser amado pelos outros. Queres ser amado porque não acreditas o suficiente no teu valor, no ser extraordinário que ÉS.
O teu corpo envia-te a mensagem de que se tornou urgente para ti começares a amar-te tal como és, com o teu grande coração cheio de amor. De facto, é notável verificar que as pessoas com SIDA têm muitas vezes um coração tão grande que podem amar o mundo inteiro sem problemas. Tens apenas de retomar o contacto com o grande coração que te habita e utilizá-lo para te amares tal como és, com o sexo que escolheste antes de nascer. No mais fundo da tua alma, uma razão importante e maior fez-te escolher esse sexo para a tua encarnação. Ainda que a tua escolha não tenha o condão de agradar a certas pessoas (por exemplo, os teus pais), nem por isso eles deixam de ter também uma lição a aprender e experiências a viver em amor com a tua escolha. O importante para ti é veres a tua própria evolução e crescer em amor, a única razão de ser de
todos os seres humanos na Terra.

 

Do livro: Bourbeau L.  O teu corpo diz “ama-te”: A metafísica das doenças e do mal-estar.  Cascais: Pergaminho; 2002.

 

Nota:

 

A informação contida nesta página, não substitui a opinião de um técnico de saúde. Para um acompanhamento mais personalizado contacte as Terapias Online, ou, Questão ao Naturopata, ou,  A Saúde Quântica Responde, ou, “A Saúde Integral tem a Solução”.

 

 

Artigos relacionados:

Holler Box

Pin It on Pinterest

Share This