DIABETES

diabetes

DIABETES

 

Bloqueio físico

 

A diabetes é uma doença do pâncreas, uma glândula importante do corpo humano e com múltiplas funções. Uma dessas funções é produzir insulina, a hormona necessária para conservar uma taxa normal de glucose no sangue. O que provoca a diabetes é uma deficiência da função endócrina do pâncreas, que se traduz por um défice de insulina. Alguns casos de diabetes são, porém, causados por resistência à acção da insulina, por exemplo, em certos casos de obesidade.

 

Bloqueio emocional

O pâncreas é a glândula ligada ao centro de energia do plexo solar. Um problema nesta glândula indica perturbação ao nível das emoções. De facto, este centro de energia gera as emoções, os desejos e o mental (intelecto). A pessoa que sofre de diabetes é emotiva e tem muitas vezes desejos em demasia.
É do género de desejar alguma coisa não apenas para si própria, mas também para todos os que lhe são chegados. Quer que cada um possa ter a sua parte do bolo. Pode, no entanto, ser ciumenta se alguém tiver mais do que ela.
É, em geral, uma pessoa muito dedicada, mas com demasiadas expectativas. Faz de mãe com todos e culpabiliza-se facilmente se os seus desejos para os outros não se manifestam.
Observa-se nela uma grande actividade mental, devida à busca intensa de meios necessários para responder às suas expectativas. O facto de alimentar tantos desejos, dissimula uma tristeza interior que provém, em geral, de um importante desejo de
ternura e de amor que nunca foi satisfeito.
A diabetes na criança manifesta-se quando esta não se sente reconhecida. A tristeza causa-lhe um vazio interior que procura compensação. É por isso que busca atenção.

 

Bloqueio mental

A tua diabetes quer advertir-te que renuncies e disponhas do teu tempo para deixar vir as coisas, em vez de querer controlar tudo. Não deves julgar que a tua missão é organizar a felicidade de todos e de cada um. És do género de conseguires o que queres, mas os que te rodeiam não o desejam necessariamente tanto como tu, ou talvez não as mesmas coisas. Aproveita as doçuras da tua vida no momento, em vez de te distraíres com o que vais querer amanhá. Até agora, preferiste julgar que aquilo que desejas é sempre para os outros. Aceita a ideia de que esses desejos são, em primeiro lugar, os teus e depois reconhece tudo o que conseguiste obter até agora. Aceita ainda que, mesmo que um grande desejo não se tenha manifestado no passado, isso não te impede de apreciar bem os mais pequenos desejos que agora se revelam.
Quanto à criança diabética, é tempo de deixar de julgar que é a criança perdida da família. É ela que tem de descobrir o seu lugar.

Do livro: Bourbeau L.  O teu corpo diz “ama-te”: A metafísica das doenças e do mal-estar.  Cascais: Pergaminho; 2002.

Nota:

A informação contida nesta página, não substitui a opinião de um técnico de saúde. Para um acompanhamento mais personalizado contacte as Terapias Online, ou, Questão ao Naturopata, ou,  A Saúde Quântica Responde, ou, “A Saúde Integral tem a Solução”.

 

Partilha!

O Enxofre orgânico e o cancro, diabetes, hipertensão, osteoporose e alzheimer

O Enxofre orgânico e o cancro, diabetes, hipertensão, osteoporose e alzheimer

 

O Enxofre orgânico e o cancro, diabetes, hipertensão, osteoporose e alzheimer

 

Há doze anos atrás, pesquisadores começaram um estudo chamado Cellular  Matrix Study para investigar a influência do enxofre na regeneração celular.

 

Enxofre orgânico e o cancro

O Director do estudo foi Patrick McGean. O seu filho foi diagnosticado com cancro testicular,  tomou enxofre orgânico e conseguiu ativar desta forma o processo de cura no seu organismo.  Hoje em dia estima-se que o MSM, através da oxigenação do sangue e tecidos pode contribuir para a inibição do crescimento de células cancerígenas, porque as estas sentem-se desconfortáveis num ambiente rico em oxigénio.

 

Enxofre orgânico, diabetes e osteoporose

No decorrer deste estudo, os cientistas receberam informações vindas de muitas pessoas ao redor do mundo, que tinham tido incríveis experiências com o MSM. Os diabéticos, por exemplo, reduziram significativamente a sua insulina ou pararam até de injectar de repente, porque o MSM aumentou a capacidade do organismo de produzir insulina, activou o metabolismo de hidratos de carbono e melhorou a capacidade de curar feridas, que é reduzida nos diabéticos.

O estudo revelou também que pessoas com osteoporose de repente estavam com ossos fortes novamente.

 

Enxofre orgânico, coração e alzheimer

O estudo revelou também que pessoas com tensão alta,  em alguns casos, já não precisavam mais de tomar os seus medicamentos.

Patrick McGean afirmou que “o resultado mais surpreendente foi o número de procedimentos de coração aberto que tinham sido programados e foram posteriormente cancelados porque a eletrocardiografia voltou ao normal. Isso aconteceu em apenas seis semanas de ingestão de enxofre orgânico. 54 casos como este foram relatados.
Os nossos vasos sanguíneos também se regeneraram, e acreditamos que esses procedimentos cirúrgicos cancelados poderiam ser um exemplo de tal regeneração. O grupo também viu a redução do tecido cicatricial, pressão arterial elevada, e o desaparecimento da placa de cálcio nas artérias. Assim, acreditamos que o enxofre orgânico seria susceptível de beneficiar doentes de Alzheimer também”.

Composto por:

Elisabete Milheiro

Fontes:

http://www.naturodoc.com/sulfurstudy.htm

O nosso organismo precisa de enxofre

https://www.zentrum-der-gesundheit.de/organischer-schwefel-msm-pi.html

 

Partilha!

Tratamento Natural para a Diabetes

Diabetes

Tratamento Natural para a Diabetes

 

A Diabetes e as Doenças Cardiovasculares foram nomeadas pela OMS como as doenças que mais afetam a humanidade neste momento.

Segundo a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, “a Diabetes é uma doença caracterizada pela elevação da glicose no sangue (hiperglicemia). Pode ocorrer devido a defeitos na secreção ou na ação da hormona insulina, que é produzida no pâncreas, pelas chamadas células beta. A função principal da insulina é promover a entrada de glicose para as células do organismo de forma que ela possa ser aproveitada para as diversas atividades celulares. A falta da insulina ou um defeito na sua ação resulta portanto em acúmulo de glicose no sangue, o que chamamos de hiperglicemia.”

Existem determinados elementos que em conjunto podem ajudar nos sintomas da Diabetes, tais como:

  • minerais essenciais, como o magnésio, o cálcio, o potássio, o zinco, o manganês, o crómio e o selénio;
  • aminoácidos, tais como a L-Carnitina;
  • vitaminas, tais como a Vitamina B3.

 

Minerais Essenciais

O Cálcio

O cálcio é um mineral essencial que desempenha funções importantes na manutenção e homeostasia do tecido ósseo, na contração muscular, na coagulação, na transmissão de impulsos nervosos, na segregação de hormonas, no metabolismo energético e como cofator de enzimas. É um importante sinalizador celular e contribui para o bom funcionamento das enzimas digestivas como a lipase.

No pâncreas endócrino o cálcio é necessário para a secreção de insulina e contribui para a diminuição da resistência à insulina no tecido muscular. O aumento sérico dos níveis de cálcio induz uma redução da secreção de de calcitonina favorecendo a lipólise e reduz a lipogénese.

 

O Magnésio

O Magnésio é o quarto mineral mais abundante no nosso organismo e tem sido reconhecido como um cofator para diversas reações metabólicas. Encontra-se distribuído no tecido ósseo (50%) e o restante em tecidos e órgãos e no sangue. Participa na síntese de proteínas, na produção e armazenamento de ATP, na síntese de ADN e ARN, e na estabilização da membrana mitocondrial. O magnésio participa na manutenção das funções cognitivas, muscular e na contração cardíaca.

O magnésio tem um papel significativo no metabolismo da glicose e insulina, através do seu impacto sobre a atividade da enzima tirosina-quinase que regula a sinalização e a fosforilação do recetor de insulina. O magnésio desempenha ainda uma importante função como segundo mensageiro intracelular influenciando a atividade de um dos transportadores de glicose (CLUT-4) e promovendo a entrada de glucose nas células.

 

O Potássio

O potássio é um eletrólito interveniente em diversos processos biológicos celulares como a manutenção do potencial de membrana, transmissão do impulso nervoso e na contração muscular.

Este mineral intervém no metabolismo dos glícidos, sendo importante na atividade da piruvato-quinase, permitindo a conversão da glicose em glicogénio. O potássio é cofator para o funcionamento das bombas de sódio-potássio, responsáveis pela sinalização e segregação de insulina e glucagon nas células B do pâncreas.

 

O Zinco

É um dos minerais intracelulares mais abundantes sendo essencial para o crescimento e desenvolvimento do organismo.

intervém no metabolismo dos glícidos, lípidos, proteínas e nucleótidos e desempenha funções catalíticas, reguladoras e estruturais em proteínas. É cofator de mais de 300 metaloenzimas e de diversos fatores de transcricão. A enzima Superóxido-Dismutase necessita de zinco para a sua atividade catalítica e contribui para uma diminuição do stress oxidativo.

Estudos revelam uma correlação entre a obesidade e diabetes com baixos níveis de zinco. O zinco é essencial para controlo da glicémia e intervém na síntese, armazenamento e secreção da insulina. Apresenta ainda uma ação insulina-mimética, estimulando os recetores celulares, reduzindo a glicémia.

 

O Manganês

O manganês apresenta um papel importante em inúmeros processos fisiológicos, nomeadamente no metabolismo das proteínas, glícidos e colesterol, como um cofator de algumas enzimas, tais como a piruvato-carboxilase, fosfoenolpiruvato-carboxicinase (PEPCK) e glutamina sintetase. É necessário para a síntese e secreção normal de insulina.

O manganês é também cofator da enzima SOD, sendo importante para a sua atividade antioxidante, reduzindo o stress oxidativo (espécies reativas de oxigénio ou radicais livres).

 

O Crómio

Participa no metabolismo dos glícidos, lípidos, proteínas e nucleótidos. O Crómio, absorvido pelo organismo, é transformado no complexo CTF (Glucose Tolerance Factor), que mantem os níveis normais de glicémia e reduz a resistência à insulina.

Este complexo, em conjunto com o Zinco, potencia o efeito da insulina. Por esta razão, o Picolinato de Crómio, é indispensável no tratamento da hipoglicemia e da diabetes, pois atua como preventivo das alterações do metabolismo dos glícidos.

 

O Selénio

É um mineral essencial para a produção do aminoácido L-selenocisteína e das selenoproteínas. É um importante cofator enzimático, sendo necessário para a formação e função da glutationa peroxidase, da tioredoxina redutase, e da selenoproteína P. Intervém em processos de oxidação-redução, protegendo as células e as membranas celulares do stress oxidativo, sendo importantes na sinalização e segregação de insulina.

 

Aminoácidos

L-Carnitina

É um aminoácido não proteico que pode ser sintetizado endogenamente (fígado e rins) através dos aminoácidos lisina e metionina.

Participa no metabolismo dos lípidos através da regulação dos ácidos gordos de cadeia longa entre o citosol facilitando o seu transporte até à mitocôndria e é cofator da B-Oxidação dos ácidos gordos. A acumulação de ácidos gordos no citosol está correlacionada com a resistência à insulina.

 

Vitaminas

A Vitamina B3

A vitamina B3, ou nicotinamida, vitamina hidrossolúvel, é precursora da coenzima B-nicotinamida adenina dinucleótido (NAD +) e necessária para a síntese do fosfato de nicotinamida adenina (NADP +), contribui para o bom funcionamento do metabolismo celular através da sua participação do ciclo dos ácidos tricarboxílicos e na síntese e reparação de ADN.

A vitamina B3 demonstra efeitos protetores sobre as células do sistema nervoso e vascular, protegendo as células contra radicais livres, anóxia, e toxicidade.

A nicotinamida contribui para a função da barreira hematoencefálica e influencia a dilatação arteriolar e do fluxo sanguíneo, aumenta a permeabilidade vascular e inibe a formação de placa aterosclerótica através da inibição de poli (ADP-ribose) polimerase.

Devido a sua forte influência na regulação metabólica, a nicotinamida, protege as células B do pâncreas.

 

Como Suplementar?

Estes nutrientes existem no mercado em forma de suplementos, de forma individual, ou em compostos – suplementos que juntam todos estes elementos essenciais numa cápsula só, facilitando assim a reposição nutricional.

Elisabete Milheiro

Nota:

A informação contida nesta página, não substitui a opinião de um técnico de saúde. Para um acompanhamento mais personalizado contacte as Terapias Online, ou, Questão ao Naturopata, ou,  A Saúde Quântica Responde, ou, “A Saúde Integral tem a Solução”.

 

 

Partilha!

Diabetes e Magnésio

Diabetes e Magnésio

Vários estudos recentes têm mostrado que quanto menor é o consumo de magnésio, mais elevado é o risco de desenvolver  diabetes. 

De acordo com o estudo do professor Giuseppe Paolisso, da Universidade de Nápoles, na Itália, o déficit de magnésio é associado às diabetes tipos 1 e 2. A pesquisa, publicada no Jornal Americano de Nutrição Clínica, mostra que a ausência desse mineral aumenta o risco de desenvolvimento da retinopatia diabética – lesões que aparecem na retina e que podem causar perda da acuidade visual.

“O Magnésio é necessário para a produção de insulina pelo pâncreas  e também ajuda na sua função de metabolizar a glicose sanguínea. Há uma interacção entre o mineral e o hormônio – é a insulina que transporta o magnésio para o interior das células.

Num estudo feito no Gonda Diabetes Center, na Califórnia, 16 voluntários saudáveis foram colocados numa dieta deficiente em magnésio, e a sua insulina tornou-se menos eficiente em mover a glicose do sangue para as células, onde ela é utilizada como fonte de energia ou armazenamento para uso futuro.

Por outro lado, quando ocorre a resistência insulinica, primeiro passo no caminho do Diabetes tipo 2, ou quando o nosso corpo já não produz insulina suficiente, nós não conseguimos criar um stock de magnésio dentro das células, que é onde ele deve estar, e os rins simplesmente excretam o magnésio circulante no sangue.

Esta relação intima entre magnésio e insulina determina o status da nossa saúde. Magnésio e insulina precisam um do outro, e nós precisamos dos dois. Niveis baixos de Magnésio intracelular e no sangue estão associados à resistência insulinica, com intolerância à glicose, e com a redução da secreção de insulina pelo pâncreas.”

Dra. Tamara Mazaracki

Graduação em Medicina – UNIRIO
Membro da Associação Brasileira de Nutrologia – ABRAN
Título de Especialista em Nutrologia – Associação Médica Brasileira – AMB
Pós-Graduação em Terapia Ortomolecular , Nutrição Celular e Longevidade – Faculdade de Ciências da Saúde de São Paulo – FACIS-IBEH

 

Atenção: o sugerido é o Cloreto de Magnésio P.A. (para análise), em sais.

 

Partilha!

Visitas

2496823
Visit Today : 1250
Visit Yesterday : 4197
informe-se
compre-aqui o Manual
compre aqui
treino gratis1
informe-se
botao sementes1
banner serenar
Partilha!