Por que o corpo humano precisa de ENXOFRE?

Por que o corpo humano precisa de ENXOFRE?

Após o cálcio e o fósforo, o enxofre é o terceiro mineral mais abundante no corpo. Um homem adulto de estatura média e peso, tem cerca de 140 gramas de enxofre distribuídos através do seu sistema. Cerca de metade de todo o enxofre está contido no tecido muscular, na pele e nos ossos.

Estrutura da Proteína

Quando as plantas absorvem MSM da água da chuva, convertem-no em enxofre contendo os aminoácidos metionina e cisteína.  Taurina e cistina, os outros dois aminoácidos de enxofre conhecidos, são sintetizados a partir da cisteína. O organismo produz cerca de 80% dos aminoácidos de que necessita, e estes são classificados como não essenciais. 

Os 20% restantes, chamados de aminoácidos essenciais, devem ser obtidos a partir de alimentos. A Metionina e a cisteína são considerados dois deles. Há aproximadamente 28 aminoácidos conhecidos. Cada tipo de proteína é composta por um conjunto único de aminoácidos numa combinação específica. Duas moléculas de cisteína podem oxidar e unir-se por meio de ligações de enxofre. Estas ligações de enxofre são os principais fatores que mantêm as proteínas em forma, e determinam a forma, propriedades e atividades biológicas das proteínas.

moléculas

Tecido conjuntivo

As unhas e o cabelo são primariamente constituídos por uma proteína resistente com um elevado teor de enxofre, conhecido como queratina. Tecidos flexíveis, como o tecido conjuntivo e cartilagem contêm proteínas com ligações de enxofre flexíveis. O colagénio é a proteína mais abundante no corpo, e um componente principal de todos os tecidos conjuntivos. 

Na pele, o colagénio trabalha com fibras de uma outra proteína chamada elastina, para dar à pele a sua elasticidade. Na cartilagem, o enxofre que contém proteoglicanos de glucosamina e condroitina forma, com o colagénio, uma proteína fibrosa que dá estrutura e flexibilidade á cartilagem.

A importância do tecido conjuntivo para o corpo vai além de simplesmente manter as células unidas. O primeiro modelo de regulação biofísico foi desenvolvido pelo Prof Pischinger, que ele chamou de “estrutura do edifício vegetativo.” Esta teoria foi desenvolvida pelo Prof Heine, que descreveu os proteoglicanos e os glycosamines, e pelo Dr. Popp, um biofísico, que mostrou a importância dos campos eletromagnéticos na bio-informação. A pesquisa tem demonstrado que o tecido conjuntivo mole, a matriz extracelular que rodeia as células, serve a  mais propósitos do que os simples propósitos estruturais e conjuntivos. É também importante no transporte de nutrientes, electrólitos, sinais compostos e partículas atómicas e subatómicas. Assim, o tecido conjuntivo mole constitui uma parte essencial da rede de comunicação dentro do corpo por meio da transferência de bio-informações.

Como muitas pessoas notam mais tarde na vida, os tecidos flexíveis perdem as suas propriedades elásticas. A escassez de enxofre é a causa provável do problema. As consequências são o endurecimento dos músculos e articulações, ondulação da pele, e diminuição da elasticidade do tecido pulmonar e vasos sanguíneos arteriais. Sem dúvida, também a transferência de bio-informação por meio do tecido conjuntivo mole, diminui, e as ocorrências de doenças em idade avançada podem também ser ligados a uma diminuição na comunicação entre as células e tecidos do corpo.

A permeabilidade da membrana celular

Todas as células (e todos os organelos no interior das células) são cercadas por membranas. A membrana é composta por duas camadas de moléculas situadas uma em frente da outra consistindo num ácido gordo essencial em uma das extremidade, e num aminoácido contendo enxofre na outra extremidade. Os aminoácidos estão de tal forma interligados que eles formam uma superfície na qual as proteínas e os outros constituintes da membrana estão inseridos e seguros. Estas proteínas são necessárias para o transporte através da membrana celular de vários tipos de nutrientes e de toxinas.

As pontes de enxofre formam ligações flexíveis entre as células e os tecidos conjuntivos circundantes. Isto permite que as células conservem a sua elasticidade. Quando o enxofre é escasso, a parede celular endurece, e as células perdem a sua elasticidade. O transporte de proteínas da membrana fica bloqueado, e as membranas tornam-se menos permeáveis. Isto resulta num transporte reduzido de oxigénio e nutrientes para as células, bem como a reduzida excreção de produtos residuais (toxinas) a partir de dentro das células. Isso causa a falta de oxigénio e nutrientes, e um acúmulo de produtos metabólicos tóxicos no interior das células. O Resultado são a redução de vitalidade e, eventualmente, as doenças degenerativas.

Estudos recentes acerca da patologia de radicais livres mostraram que o thiol (-SH), um grupo de aminoácidos contendo enxofre, pode proteger as cadeias de proteínas das membranas celulares contra a oxidação. Mas isso não é tudo. Estudos realizados por Dra. Johanna Budwig demonstraram que os aminoácidos contendo enxofre nas membranas celulares ressoam com as ligações duplas dos ácidos gordos, o que resulta na libertação de electrões. Nuvens de electrões são formadas, que se podem mover ao longo das cadeias de ácidos gordos. Desta forma, as correntes eléctricas envolvidas formam a base de toda a energia eléctrica no corpo. Esta energia pode ser medida em pulsação, estímulos nervosos, e em contracções musculares, em resumo, em todas as reacções químicas e eléctricas que possibilitam a vida.

Metabolismo

As enzimas são proteínas que controlam funções vitais muito importantes. Por exemplo, eles regulam todos os processos metabólicos no nosso corpo. Pontes de enxofre são responsáveis pela estrutura espacial de enzimas. Sem pontes de enxofre as enzimas bloqueariam a atividade biológica devido a desvios na sua estrutura espacial. A escassez de enxofre causa  a redução da produção de enzimas biologicamente activas, o que resulta numa redução de muitos processos metabólicos. O enxofre é importante para a produção de energia celular em que a glicose é metabolizada sob a libertação de energia.

Ainda mais importante, o enxofre tem um papel no sistema de transporte de electrões, como parte de ferro / proteínas de enxofre, na mitocôndria – as fábricas de energia da célula. Para além disso, o enxofre participa na vitamina B Tiamina (B1) e na Biotina. Essas vitaminas são essenciais para a conversão de carboidratos em energia, pela queima de glicose. A insulina é uma hormona excretada pelo pâncreas, e, principalmente, funciona para regular o nível de açúcar no sangue. Portanto insulina desempenha um papel importante no metabolismo de hidratos de carbono. Cada molécula de insulina é constituída por duas cadeias de aminoácidos, ligadas uma à outra por pontes de enxofre. Estas pontes de enxofre são muito importantes para o bom funcionamento da insulina. Sem essas pontes, a hormona perde a sua actividade biológica.

Elisabete Milheiro

 

Fonte: http://www.msm-info.com/ Site oficial da MSM – Fundação de Informação Médica Organização sem fins lucrativos dedicada à divulgação de informações sobre MSM

Partilha!