doença inflamatória

Qual é a particularidade da doença inflamatória (acaba muitas vezes em “ite” como sinusite, bronquite, artrite,etc.)?

 

Aos olhos da Nova Medicina

 

Depois de ter ouvido falar e me ter informado sobre as investigações de um médico alemão, o Dr. Geerd Hamer, achei muito interessante o fruto das suas pesquisas a que ele chama a NOVA MEDICINA. Na sua opinião, uma doença inflamatória (que acabe em ite) produz-se a seguir a uma resolução de um conflito biológico. Diz que a partir do momento em que o conflito é afastado ou resolvido, o corpo (com a ajuda do cérebro) entra em fase de cura (em vagotonia) e é nesse momento que a doença infecciosa ou inflamatória aparece (por exemplo: um homem já não suporta mais o patrão e decide partir para férias. Logo que chega ao local de férias, começa a sofrer de sinusite). (Um conflito biológico é um choque violento contra o qual nos sentimos impotentes, incapazes de reagir, e que é vivido em isolamento. É um choque difícil que apanha a pessoa totalmente
desprevenida. Os conflitos normais da vida corrente não têm um impacto tão brutal, pois é possível preparar-se para os enfrentar com um pouco de antecedência.) Em contrapartida, mesmo que o corpo esteja em fase de cura, não impede que o doente seja ajudado pela medicina. Mas sugiro vivamente que se verifique bem se o conflito está realmente resolvido (…) ou se a solução é apenas temporária.

 

Doenças quentes e doenças frias

 

Também segundo o Dr. Hamer, das 1000 doenças conhecidas, metade são doenças quentes e a outra metade doenças frias. As doenças quentes (exemplo: inflamação) indicam que o conflito está afastado ou resolvido e que o corpo está a restabelecer-se. Explica que as doenças são, portanto, bifásicas, quer dizer que 500 doenças, que primeiro são frias (fase durante a qual o conflito ainda está activo), passam depois a quentes (fase
durante a qual o corpo se cura, após afastamento do conflito).

 

O que é a dôr?

 

No homem, como no animal, as dores têm fundamentalmente um sentido biológico, o de imobilizar todo o organismo e o órgão afectado, de forma a que a cura possa fazer-se de maneira eficaz. Existem também dores durante a fase activa do conflito (doença fria) como, por exemplo, uma angina de peito ou úlceras do estômago. Essas dores, durante a fase de cura (doença quente), são provocadas por inflamações, infecções, edemas
ou cicatrizações.

 

Afastar-se do conflito ou resolver o conflito?

 

Considero a investigação e as descobertas do Dr. Hamer interessantes, bem como as de vários outros médicos, como o Dr. Siegel, o Dr. Simonton, etc. Estes médicos incitam-nos a abrirmo-nos a novos horizontes. Não te posso afirmar que tudo é verdadeiro, pois como é que se pode saber quem é que detém realmente a verdade? É, pois, muito mais prudente verificares o teu íntimo para descobrires a tua própria verdade.
Pela minha parte, conheço alguns médicos que trabalham com as leis da Nova Medicina do Dr. Hamer, obtendo excelentes resultados. Souberam fazer um amálgama de medicina tradicional e nova, para satisfação e bem-estar dos seus pacientes. Tens a possibilidade de decidir no que queres acreditar. Em contrapartida, ainda que o corpo esteja em fase de cura, isso não te impede de seres ajudado pela medicina, mas deves estar consciente de que enquanto a medicina se ocupa do teu corpo físico, tu deves ocupar-te dos teus corpos emocional, mental e espiritual.
O que desejo acrescentar aos trabalhos do Dr. Hamer, é que ninguém deve apenas afastar-se do conflito, mas deve antes tentar resolvê-lo para evitar que volte a aparecer. (…).

 

Do livro: Bourbeau L.  O teu corpo diz “ama-te”: A metafísica das doenças e do mal-estar.  Cascais: Pergaminho; 2002.

 

Nota:

 

A informação contida nesta página, não substitui a opinião de um técnico de saúde. Para um acompanhamento mais personalizado contacte as Terapias Online, ou, Questão ao Naturopata, ou,  A Saúde Quântica Responde, ou, “A Saúde Integral tem a Solução”.

 

Pin It on Pinterest

Este site utiliza cookies para melhorar a sua experiência. Ao continuar a navegar no nosso site consente a utilização dos mesmos. Saiba mais sobre os cookies aqui

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close