saco de batatas

O professor, um dia, decide dar uma aula prática e pede os alunos que levem batatas e um saco plástico para a aula.

Na aula ele pediu que cada aluno separasse uma batata por cada pessoa com que se encontrava ressentido; e que escrevesse em cada batata o nome da pessoa que o magoara, e a metesse no saco.

Alguns sacos ficaram muito pesados. A tarefa consistia em que cada aluno, durante três semanas, nunca se separasse do saco, e se entretanto alguém o magoasse, juntasse mais essa batata com o nome escrito da pessoa que o feriu. Naturalmente as batatas foram-se deteriorando, com o tempo.

 A cada dia que passava mais doloroso se tornava carregar o saco, com batatas já a apodrecerem. Mostrava bem o tamanho do peso espiritual que a mágoa representava, estar sempre concentrado no saco que tinha de carregar para todo o lado, não dando atenção a mais nada.

 Esta é uma boa metáfora pelo preço que pagamos todos os dias, por manter a dor e o negativismo. Quando nos focamos em problemas por resolver, ou promessas não cumpridas, nossa mente enche-se de mágoa, anfitriã das trevas, promotora da depressão e a tristeza.

 Autor desconhecido

Adaptado do original 

A. Shiva

 Perdoar e libertar, é uma forma de voltar à paz e à calma; mas além de arrogante, com essa atitude desperdiça-se o crescimento que essa experiencia teria em nossa vida. E de certeza que o que foi perdoado, volta a acontecer.

 Talvez tenha chegado a hora, de jogar fora, as batatas que carrega na sua vida.

António Shiva