Os riscos do consumo diário da Aspirina

Durante toda a minha trajetória médica até aqui, sempre ouvi que o correto era indicar a aspirina, de modo preventivo, para quem não tivesse tido um ataque cardíaco e até mesmo para os indivíduos que apresentem esse quadro em seu histórico clínico. Isso, todo mundo já sabia; afinal, uma aspirina ao dia era considerada uma medicação preventiva.

Acontece que recentemente a Food & Drugs Administration (FDA) reverteu essa orientação e, baseada em estudos, concluiu que não há comprovações que suportem o uso preventivo da aspirina para indivíduos que não tenham tido nenhum evento cardiológico. A FDA observou que não há benefícios estabelecidos e que riscos como sangramento cerebral e estomacal e a aplasia de medula continuavam presentes.

Mas, pior do que isso é o fato de muitos médicos não terem a real consciência de que a aspirina pode, na verdade, mascarar um evento cardíaco em evolução.

Um estudo realizado com mais de 100 mil pacientes de alto risco cardíaco concluiu que a terapia com aspirina não estava salvando vidas e sim mudando a forma como os eventos vasculares se apresentavam. Isso faz parte do Antithrombotic Trialists’ Collaboration, um estudo dirigido pelo cardiologista Dr. John G F Cleland, que além de reverter todos esses fatos surpreendentes, ainda mostrou que muito dos benefícios são seriamente falhos e suas interpretações distorcidas.

Logo em seguida a este, surgiram diversos outros estudos sustentando essa posição e desta vez não só para indivíduos com risco cardiovascular, mas também para os diabéticos.

 

Aspirina e os seus riscos

Conheça os riscos que o consumo diário da aspirina pode oferecer ao seu organismo:

  • Interferência no processo de coagulação, causando sangramentos gastrointestinais; o uso crónico de aspirina em baixa dose pode dobrar este risco.
  • Aumento do risco de sangramento cerebral, especialmente em indivíduos idosos. Há um risco aumentado entre os idosos que fazem uso de aspirina preventiva quando se tem um trauma na cabeça resultando em hemorragia cerebral.
  • Destruição da mucosa gástrica, aumentando o risco de úlcera duodenal, infecções por H. Pylori, diverticulites, Doença de Chron, inflamação intestinal e até perfurações. Mais de 10% dos usuários desenvolvem úlcera gástrica.
  • Risco aumentado de morte em casos de tratamento de gripes com antitérmicos como a aspirina.
  • Depletação de nutrientes importantes do corpo como vitamina C, vitamina E, ácido fólico, ferro, potássio, sódio e zinco.
  • Comprometimento da produção de melatonina.
  • Aumento do risco de falência renal.
  • Comprometimento oftálmico, tais como cataratas, degeneração macular e cegueira.
  • Aumento do risco de um determinado tipo de cancro de mama (ER/PR negativo).
  • Perda de audição e zumbidos.
  • Aumento de 22% do risco de disfunção erétil de acordo com estudo conduzido em 80 mil homens.

Dr. Rondó

Fonte: http://www.drrondo.com/riscos-consumo-diario-aspirina/