Quando o comer é uma Doença

  • 0

Quando o comer é uma Doença

Tags : 

Adiçãoá comida

Tudo acontece quando chegamos a um ponto de saturação da saturação. É um estar farta de estar farta, cansada de estar cansada, e ai tomamos uma decisão: Se eu não consigo sozinha, então vou Aceitar ajuda.

È realmente um tormento, tentar controlar tudo e todos para que as coisas se adaptem ao que “precisamos”… mas enquanto não nos consciencializamos de que somos realmente impotentes perante a nossa droga, seja ela qual for, a saga não acaba…quanto mais se luta contra ela mais força ela ganha.

Lembro-me que antes de admitir que tinha esse problema não conseguira aguentar estar numa festa de Aniversário – para tudo o que olhava queria provar, e o tentar controlar-me levava-me a uma ansiedade tão grande que parecia que a minha cabeça queria explodir! Afinal não aguentei, provei de tudo; o jogo que eu fiz para que ninguém se apercebesse de tudo o que eu já tinha comido, e continuava a comer…a cada comida que decidia provar achava que era essa que me ia satisfazer…mas não, e muito menos acabava com a ansiedade que sentia…

A culpa, o medo…a ansiedade, o descontrolo total – a impotência perante a minha droga: A COMIDA!

Tudo se desenrola na nossa mente…uma mente obsessiva – gulosa, sedenta, desesperada, esfomeada.

Passei por várias recaídas, vários processos de recuperação, até me aperceber de que a única coisa que eu precisava de estar atenta era á minha mente. Pois pensava que tudo poderia ser desencadeado pela comida – teria talvez uma intolerância ou alergia á própria comida, que me despertasse uma compulsão – e ouvi tantas vezes sobre este assunto e não conseguia entender o processo que decorria na minha mente…

 

No Principio foi-me sugerido que deixasse de comer doces; foi-me explicado que eles despertavam ainda mais a minha mente obsessiva. Eu não tinha consciência disto:

Lugares, cheiros, sabores, situações, despertam memórias. Despertam formas de lidar, rituais, hábitos. Tudo não passa de uma gravação, uma resposta automática, mas que pode ser mudada!

Estive bastante tempo sem comer doces, mas volta e meia entrava em obsessão, pois fui tão radical que cheguei a ler os rótulos dos produtos para ver se continham açúcar…mal eu me tinha apercebido de que isso já era a minha mente obsessiva a funcionar…mas não me conseguia libertar – o medo, a culpa, tomavam conta de mim. Uma sensação de prisão – uma prisão dentro de mim mesma…

Um dia pensei: Meu Deus, que se lixe! Mais vale estar recaída do que todo este sofrimento: como não como, será que como, será que posso, será que não posso? Estou farta disto!

Comecei por experimentar sumos light…depois sumos normais, pouco tempo depois comia o meu primeiro gelado. Que sabor…não podia acreditar, tinha passado tanto tempo…fiquei atenta á minha mente, não queria perder esta oportunidade de ser livre, livre na minha mente. Cerca de uma semana depois comecei a entrar em processos de obsessão e a sentir picadas na cabeça, surgiu-me um herpes nas costas da mão esquerda. Tive medo que fossem efeitos do açúcar, e já estava a começar a alimentar esse medo: se calhar estou mesmo mal…e o meu corpo quer-me avisar disso…

Pois, estava mal sim, mas era o que estava a escolher alimentar que estava mal: estive tanto tempo rígida em relação ao açúcar que sem me aperceber vinha alimentando pensamentos de medo e de culpa. Então o meu corpo estava-me a avisar sim, desses pensamentos que eu não deveria alimentar.

Neste momento surgiam novas oportunidades na minha vida, e como já tinha esgotado todas as outras desculpas para adiar a minha vida, esta seria uma boa desculpa – estar recaída novamente.

Acabei por me aperceber disso mesmo – estar mal seria apenas agarrar esta desculpa para justificar o adiar da minha vida. Afinal sempre tive processos de obsessão, fosse pelo que fosse, tudo poderia ser um alvo, não teria de ser a comida. Claro que se eu estiver mal tudo serve! Mas qual é o motivo de estar mal? O que faz com que eu decida agarrar algo para me sentir mal? O medo? O medo de quê? De não conseguir, de falhar, de não ser capaz? O não me achar merecedora do BEM na minha vida, de tudo o que este universo maravilhoso me oferece?

Tudo não passa de uma resistência ao fluxo normal da vida!

Mas porquê esta decisão? No que consiste? Ainda não sei…Só sei que é uma desculpa para não evoluir! Neste momento, Só preciso de saber que decisão eu quero tomar AGORA!

Afinal a única coisa que preciso fazer é estar bem, sendo responsável por mim: aplicar as ferramentas que aprendi.

De forma nenhuma me posso culpar de tudo pelo que tenho passado – graças a Deus que tudo foi assim, pois a consciência que tenho da adicção e da forma como ela funciona e se manifesta é cada vez maior. A consciência de mim e das formas de lidar com os meus sentimentos, emoções, é cada vez maior. E das grandes crises surgiram as grandes bênçãos – a consciência, a clareza.

Sei que tenho tendência para procurar fora de mim o que, afinal, nunca precisei ou precisarei alguma vez! TUDO está dentro de mim! Absolutamente TUDO!

A vida tem sido extremamente generosa para mim, guiando-me para situações em que posso crescer e ser uma pessoa cada vez melhor! Nada é o que parece! Cada vez tenho mais certeza disso! Pois como posso usar a minha mente para analisar algo? Como? Se a minha mente é um simples arquivo de sensações, emoções, análises, do passado? Nada é mesmo o que parece, porque o que nos parece é o que a nossa mente analisa, tentando utilizar essa informação guardada. Assim, quando eu olho para uma imagem, todo o processo de filtragem, descodificação, análise, se inicia. Mas com certeza a sua resposta será no mínimo desconexa – o que eu estou a ver é completamente novo; de nada me servem esses conceitos atrasados.

Graças a Deus que EU existo, e que tenho oportunidade de passar por TODAS estas experiências, as quais podem ser úteis a outros, que como eu, chegaram ao desgoverno das suas Vidas!

A sua Recuperação é a minha Recuperação e vice-versa – quanto melhor estiverem todos, melhor eu estarei também!

 

OBRIGADO Metamorfose Real, OBRIGADO Grupos de Auto-ajuda, OBRIGADO Grupos Terapêuticos, OBRIGADO Salas de Conferência: Grupo das Mulheres, Sala da Mente Milionária… e muitos outros mestres que passam na minha vida: OBRIGADO!

 

Obrigado

Nota: o que é aqui escrito é a minha experiência. O que se pretende aqui é dar a conhecer experiências do dia-a-dia, que poderão ser úteis a quem se identificar com elas. Isto não invalida o facto de que a verdade está em constante alteração, assim como também a nossa consciência, que com as nossas experiências vai evoluindo.

Não se esqueçam: A única coisa que temos, como garantia, nesta vida, é a Mudança!

Postado por:

Elisabete Lakshmi

 


Leave a Reply

Sim, é possivel criar uma vida nova!!!