O visionário é o único verdadeiro realista

Fellini

6/20

Estamos no 6º de 20 artigos sobre recuperação ou transformação integral. Iniciou-se com o transformar “uma crise numa bênção”, continua com “da pobreza à riqueza” e alcançará no final o resultado que cada um desejar obter. Basta simplesmente seguirem as sugestões e usarem o endereço de email no final para personalizarem a transformação que desejam.

 Não importa qual seja a falta, no final cada um terá o que procura, inserido no bem-estar integral. Vivemos tempos de grandes mudanças, e tudo se começa a encaixar no mundo.  

Então vamos lá continuar…; em resultado dos últimos artigos, tenho recebido alguns feedbacks dos leitores, e achei um em especial, muito interessante, foi o de alguém que conclui que “todo o tipo de pobreza é uma questão de consciência”. É verdade que tudo é resultado da consciência. Mas a consciência é um conceito ainda confuso, que nem sempre é fácil aceitar. Seria talvez melhor dar uma explicação da realidade através da moderna física quântica. Que não deixa também de ser confusa …, mas, tem a seu favor o facto de 100% da moderna tecnologia que usamos no cotidiano ter origem na física moderna. E com factos não há argumentos

Vejamos então se se faz luz…; na física moderna, sabemos que tudo são possibilidades antes de fazerem parte da nossa experiência. Então observemos com calma…, se alguém passa pela experiência de fracassar…, antes de fracassar só existia a onda de possibilidade de fracassar. Assim como existia igualmente a possibilidade de ter sucesso além de outras infinitas possibilidades.  Na prática, o fracasso surgiu porque o observador (fracassado), colapsou a possibilidade do fracasso. Possivelmente perante os determinados acontecimentos do cotidiano, o observador reage através do medo negativamente, acabando por fracassar em vez de entrar no fluxo do sucesso. Isto é o que aconteceu…, e gerou o fracasso. Mas um fracasso, não é nada…, todos os homens e mulheres bem-sucedidos, passam por muitos fracassos. É como um campeão de Surf, por ser campeão não significa que não tenha que continuar a treinar e que não se enrole e fracasse muitas e muitas ondas. 

Mas agora o importante é saber a razão pelo qual muitos fracassam e ficam mergulhados na mediocridade, em vez de se levantarem rumo ao sucesso. Aqui há dois grupos distintos. O grupo dos que não quer o sucesso e simplesmente desiste de tentar…, e o grupo daqueles que tentam de uma e de outra forma…, mas ficam pela mediocridade porquê?

Apesar de não existirem duas pessoas iguais, todos sem exceção, nascemos para ser bem sucedidos, amados, felizes, e realizados (e por um programa personalizado de recuperação poder abranger todas as falhas, de uma personalidade, não quer dizer que seja necessário para se ser bem sucedido, realizado e feliz), não hesito em afirmar que o bloqueio principal que impede o sucesso, é o desalinho do sistema nervoso com o propósito da mente. Por outras palavras o sistema emocional, não acompanha o propósito da mente.

Por exemplo não adianta dar todos os passos sugeridos num programa de recuperação ou transformação de uma crise numa bênção se o meio em que os passos se dão estiverem contaminados com a ansiedade da egoesclerose. A egoesclerose ou ansiedade é o “demónio” da sociedade moderna, ou o maior sabotador da realização pessoal e da entrada no paraíso existencial.

Como sair da ansiedade? Sugiro que comece por aqui https://solucaoperfeita.com/ansiedadenuncamais/medo-ansiedade-inseguranca-nunca-mais/

É verdade que o fracasso não afeta as pessoas de uma mesma maneira. A pessoa é afetada de acordo com o grau de inteligência e educação que cada um se encontra.

Para uma pessoa, que pela ignorância se contenta com pouco, estar imerso na mediocridade pode se sentir relativamente “satisfeito”, por não haver conhecido nem aspirado nada melhor; ao mesmo tempo que, em igual estado, outra pessoa de maior capacidade intelectual e espiritual, se sinta a carregar o fardo insuportável da desilusão,  frustrado e infeliz. Por outras palavras, o que para uns é o habitat natural (zona de conforto), para outros é um inferno.

É importante aceitar que as coisas são o que são, não o que queremos que sejam. Aceitar este princípio, liberta-nos da egoesclerose.

É verdade que o mundo já mudou e a resistência a essa mudança é responsável pelas doenças psicossomáticas que segundo a OMS, representam 85 % de todas as doenças e 99% das doenças crónicas. Enfim não há, como resistir à mudança, ou entramos no fluxo de mudança ou simplesmente acabaremos pobres infelizes e doentes, por desgaste, físico, emocional e mental. 

É verdade é que a mudança é abismal, e não é fácil para ninguém. É como entrar num mudo totalmente desconhecido como o da “Alice no país das maravilhas”.

Este novo mundo já tinha sido anunciado por Jesus.

Sem qualquer conotação religiosa, os evangelhos falam que Jesus veio anunciar o começo de um novo mundo de harmonia universal de amor, de paz, de felicidade, de bem-estar, de fraternidade e abundância. Apesar de não ser fácil enxergar através de nossos filtros esse mundo na terra. E alguns em cimo de seus palanques preferirem apregoar o reino de Deus na outra dimensão.

É preciso questionar; será que o ser humano dotado do poder do próprio criador, foi criado por Deus para ser desgraçado? Para ser um fracassado? Para ser um frustrado ansioso? Seria vergonhoso pensar isso do Deus criador da própria natureza, que é Ele. O homem é o ser mais evoluído da natureza, imbuído do próprio poder de Deus. O poder da criação.

A questão é esta, a humanidade nunca teve tanta fonte informativa segura, honesta e responsável, para obter a explicação às questões mais inquietantes. Quem sou eu? O que faço aqui?  Quem é Deus? Apesar destes serem temas para os próximos artigos, é preciso ficar esclarecido que não se vive na pobreza, porque Deus assim quis…, ou alguns mais perversos justificarem a sua pobreza com karma de vidas passadas…, negando a riqueza do percurso desta vida. Fazendo tábua rasa desta vida, como não se não tivessem um trajeto suficientemente rico para reciclar e transformar. Será que nego o Karma? Claro que não! Mas usar o karma para justificar a mediocridade desta vida são outros quinhentos.

A física quântica apresenta a resposta que procuramos, e as soluções para transitar do velho paradigma materialista dualista, para a nova era unicista integralista…, mas é preciso treinar e, voltar a treinar, a passagem. Estamos totalmente hipnotizados pela ilusão da aparência, e não conseguimos enxergar o óbvio. Usamos telemóveis, Wi-Fi, internet, e toda a forma de aplicações, algumas constituindo autênticos milagres. Mas quanto se trata de olharmos para dentro de nós, julgamos pela aparência.

Por exemplo, quando olhamos para dentro de nós, o que vemos? O centro do poder criador ou um vazio existencial? Quando sentimos um simples incómodo, será que o aceitamos como uma mensagem do organismo, ou tentamos abafar a voz do nosso melhor amigo atacando vigorosamente o sintoma?

Quando na nossa ação no quotidiano quando algo não acontece como o previsto, aceitamos, ou lutamos para impor a nossa vontade?

A mudança começa na forma como nos enxergamos, vemos os outros, o mundo e a Deus. A nossa felicidade não depende do que os outros fazem…, mas da forma como nos amamos; amamos os outros, e amamos o meio ambiente.

Na verdade, o mestre Jesus foi bem claro no seu novo ensinamento. “vos sois templo do altíssimo,” – queria dizer que somos essência de Deus – mas o mandamento novo, completa-se com…, “amai a Deus sobre todas as coisas, e o próximo como a ti mesmo”.

Onde está Deus? Deus (como cada um o concebe) está em cada um de nós. Amar a Deus…, é amarmo-nos, “aceitarmo-nos, e aprovarmo-nos…, e amar os outros como nos amamos”. Todo o resto é conversa.

Mesmo que pouco adiante saber qual é a solução…, se nos encontramos na inércia, impregnados dos princípios que criaram a mediocridade; podemos sempre decidir mudar.  Nunca é tarde para despertar e dançar com a vida.

Apesar de ser muito simples, é preciso muita coragem para mudar, força e persistência para aprender a jogar o jogo da vida, neste mundo de possibilidades infinitas. E ser o cocriador do novo mundo de abundância e felicidade, com o poder que germina em cada um de nós. Basta escutar o ensinamento do mestre, e olharmos no espelho e começarmos a trabalhar a nossa transformação interior.

Antes de terminar, quero agradecer a todos que enviaram questões para o meu endereço pessoal de e-mail antonio@solucaoperfeita.com, pela coragem, força e esperança. Coragem para colocarem o seu real problema atual. Força para baixar os braços. E esperança de que com a ajuda da Casa Escola António Shiva® podem transformar a sua crise numa bênção.

Continuo incondicionalmente disponível a aguardar os vossos feedbacks,

António Teixeira Fernandes