Atelier de Mecânica Quântica em Ação

Atelier de Mecânica Quântica em Ação

A Casa Escola António Shiva® promove, pela primeira vez, um programa inovador para jovens de ambos os sexos dos 12 aos 16 anos, que tem como objetivo ocupar os tempos livres dos jovens, com a ação consciente da mecânica quântica durante as férias escolares, em título experimental, nomeadamente no mês de julho de 2019.

Com esta iniciativa a Casa Escola António Shiva® tem como objetivo ajudar os jovens a criarem a sua própria autonomia e bases sólidas para a vida, iniciando por limpar o stress gerado e acumulado durante o ano letivo e despertar a criatividade e genialidade muitas vezes já adormecidas com o fútil e superficial.

Datas do Atelier ( períodos disponíveis):

01 a 07 de julho de 2019

01 a 14 de julho de 2019

08 a 14 de julho  de 2019

08 a 21 de julho de 2019

15 a 21 de julho de 2019

15 a 28 de julho de 2019

22 a 28 de julho de 2019

Para mais detalhes ou para marcações consulte: https://solucaoperfeita.com/casaescola/atelier-de-mecanica-quantica-em-acao

A Casa Escola António Shiva tem o que mais ninguém tem

A Casa Escola António Shiva tem o que mais ninguém tem

Poderia ser um slogan publicitário de uma qualquer campanha. Mas na verdade não se encontra em mais lado algum do mundo o que Casa Escola António Shiva tem.

A Casa Escola António Shiva nasce no século passado como o projeto mais arrojado na arte de transformação pessoal.

O 1º centro mundial de gestão de stress e reciclagem humana. Desde essa altura nunca mais deixou de inovar; começou com os programas de 12 passos melhorados atingindo hoje o domínio integral da moderna mecânica quântica e sua prática espiritual no quotidiano.

O que é que a Casa Escola António Shiva tem que mais ninguém tem?

1º – Todos os programas são personalizados ao cliente.
2º – Além de personalizados ao cliente, o cliente interfere ativamente na criação do seu
próprio programa.
3º – Todos os programas de reciclagem e transformação pessoal têm 100% de garantia de
sucesso, sendo restituído em 100% o valor investido pelo cliente se o objetivo não for atingido.
4º – Nenhuma instituição, escola terapêutica no mundo, tem os objetivos da Casa Escola António Shiva: a reciclagem e transformação integral do indivíduo.

Todos os programas de recuperação de vida são 100% garantidos.

Uma nova visão de mundo III

Uma nova visão de mundo III

«Pela fé compreendemos que o Universo foi criado por intermédio da Palavra de Deus e que aquilo que pode ser visto foi produzido a partir daquilo que não se vê».

da Bíblia em Hebreus 11:3

Em continuação da série de artigos “Uma Nova Visão de Mundo” mais uma vez falaremos da mecânica quântica. Opto pela mecânica da física moderna, a ciência mãe das tecnologias que governam o mundo, porque não sou um iluminado mas um simples espectador da realidade, que as minhas curtas vistas conseguem enxergar. Protejo-me assim de alguma forma de controvérsias inúteis que em nada dignificam a inteligência humana. Vejamos; há poucos dias Elon Musk, o visionário filantropo sul-africano-canadense-americano fundador da Tesla, disse em entrevista que o seu receio é a inteligência artificial. E essa análise feita por um visionário fez-me repensar algumas das questões absurdas com que me venho confrontando nos últimos 20 anos. Então vejamos, numa época em que inteligência artificial faz parte do quotidiano de todos; numa altura em que foi dada pela Arábia Saudita a cidadania à Sophia “robô humanóide”, capaz de aprender e trabalhar com humanos, adaptando-se ao seu comportamento e hábitos, continua-se a resistir à mudança de paradigma, agarrados como por hipnose psicótica à ilusão da aparência. Mesmo após campanhas e alertas catastróficos da O.M.S. não para de crescer a velocidade estonteante a ansiedade, depressão, síndrome de pânico, doenças psicossomáticas, guerras.

Não vou falar agora do porquê dessa conduta autodestrutiva do homem moderno que cria as suas próprias fontes de dor, porque para isso teríamos de entrar em dogmas religiosos, científicos e filosóficos.

A nova visão de mundo não é uma simples opção que se pode querer ou não, é uma decisão entre vida ou morte; paraíso ou inferno; saúde ou doença; reação ou pro-ação. É imprescindível para todos aqueles que estão cansados do vazio existencial e do sentimento de inutilidade. Com a mecânica quântica enxerga-se com clareza como viver em harmonia com a vida e com Deus, mudando de uma conduta reativa para uma conduta proativa. É para quem precisa de resultados, não para quem ainda quer filosofar em vez de ser. Porque não basta saber que a vida é uma passagem de curta duração entre o nascimento e a morte e que cada minuto não usado para a autorrealização jamais poderá ser recuperado. Não basta reconhecer que usamos o pouco tempo que nos resta em controvérsias que não acrescentam nada, nem trazem felicidade a alguém. Não basta saber que vivemos apegados ao efémero e partimos desta realidade e deixamos cá tudo pelo qual lutamos. Tudo isso foi proclamado pelo Nazareno, mas ao fim de 2000 anos continua-se na mesma. É preciso Ser.

Voltemos à nova visão de mundo e o que a ciência moderna nos diz do universo e do mundo. Vimos nos artigos anteriores que tudo que existe no universo visível e invisível é energia (há quem lhe chame Deus, Ki Shi, Prana, etc…). Todas as coisas possuem a natureza da criação que reside latente dentro de si mesmas; vimos também que tudo faz parte de tudo. Temos tudo dentro de nós. Vimos também que nada acontece por acaso tudo tem um propósito universal. Vimos que tudo está interligado, não podemos magoar ou roubar a não ser a nós mesmos. Em vez de filosofarmos em relação à situação mundial, a física moderna diz-nos que precisamos de nos transformar a nós mesmos, mudar o nosso comportamento e alcançar a verdadeira felicidade e plenitude em nossas vidas, para executar a missão pela qual decidimos nascer.

A Cabbala com cinco mil anos diz “aquilo que os nossos olhos testemunham no mundo exterior todo o mal, toda a perversão, não passa de uma imagem no espelho refletindo os resquícios de mal que jazem ocultos e não detetados nos nossos corações”.

Não vou continuar a lembrar o já escrito e vamos saber como numa nova visão de mundo, uma visão espiritualista guiada pela mecânica da “moderna” física quântica transformamos o que o materialista chama crise numa bênção.

Vamos com calma, que uma mente empoeirada pela complicada ilusão materialista tem dificuldades em lidar com a simples prática da mecânica quântica aplicada no quotidiano. Hoje a inteligência artificial ou tecnologia de ponta resulta da ciência das possibilidades (física quântica). Todos estamos familiarizados com as constantes atualizações dos computadores telemóveis etc., mas ficamos agarrados a conceitos que já foram úteis, mas que hoje certamente não o são.

Então vamos lá…, um observador com mente materialista cega pela ilusão da matéria, reage à aparência do acontecimento ou coisa, criando uma crise. O observador de mente embebida na nova visão de mundo perante um acontecimento não esperado ou coisa aparentemente prejudicial, não reage à aparência porque sabe que tudo é energia e a ocorrência tem um propósito amplo dentro de infinitas possibilidades. Aqui o observador de mente aberta e vistas limpas decide que seja feita a vontade do todo (consciente de certeza e autoconfiança que a vontade do todo não lhe dá o que pensava receber mas muito mais do que poderia imaginar). Aquilo que uma mente materialista chama crise, um espiritualista chama bênção. Aqui estão usadas as duas primeiras leis da mecânica do universo, que dão origem ao famoso entrelaçamento de onda, manifestando-se na terceira lei da mecânica quântica: o observador atrai na mesma frequência e densidade que irradia.

Resumindo: A mecânica quântica ao ser aplicada no quotidiano pelo ser humano,mudará o mundo e a humanidade. Com a nova visão de mundo sabemos que tudo tem um propósito e que os problemas moram dentro de nós. As coisas só têm a energia que o observador (nós) colocamos nelas e exercem em nós a influência que permitimos. Nada acontece por acaso, tudo tem um objetivo mais amplo e profundo.

Como artigo já vai longo, antes que a confusão possa tomar o lugar do pretendido aclarar, despeço-me e termino com uma citação do Hanyashingyo, Sutra do coração e do conhecimento budista, «aquilo que pode ser visto não tem forma e aquilo que não pode ser visto tem forma».

Incondicionalmente disponível,

António Teixeira Fernandes

Artigos anteriores:

Uma Nova Visão do Mundo 

Uma Nova Visão do Mundo II

Palestra: “Todas as coisas têm um propósito”

Palestra: “Todas as coisas têm um propósito”

Foi em Auschwitz que Viktor Frankl, o pai da logoterapia, presenciou na prática o poder deste propósito espiritual “Nada Acontece por Acaso”, a Sorte ou Azar é a teoria da ignorância. Todas as coisas têm um propósito, um desígnio, um ideal mais profundo a ser alcançado, embora a limitada visão materialista não o consiga enxergar.

Ao contrário do que muitas vezes nos foi feito acreditar, sofrimento, situações difíceis, infortúnios são precisos para um crescimento espiritual. Será que uma coisa ruim pode trazer um benefício? Será que é preciso passar pelo sofrimento para ter um lugar no “paraíso”? O sofrimento resulta de nos guiarmos pela aparência e não enxergarmos o propósito no acontecimento.

Como fazer para que os acontecimentos não gerem sofrimento? O que gera o sofrimento é a forma como o enxergamos o acontecimento. A física quântica, ciência da espiritualidade, mostra-nos através do efeito observador que é a análise da situação que define o resultado. Despertar a consciência de que tudo na vida tem o propósito de nos tirar da inutilidade da inércia e nos elevar ao verdadeiro fluxo da vida.

Coloca as tuas dúvidas e anseios e vem participar on-line ou presencialmente na palestra deste sábado 24 de novembro.

António Fernandes

Esta palestra vai ser presencial e simultaneamente transmitida online.

Horário: 24 de novembro de 2018

15h Lisboa,
13h Brasília
16h Luanda,
15h Londres
10h Nova Iorque
16 h Madrid

Link de acesso à sala:
https://44506408.myownmeeting.net/

Casa Escola António Shiva:

Rua do Pinhal nº209

2120-217 Foros de Salvaterra

Uma nova visão de mundo

Uma nova visão de mundo

Sei que sou um presunçoso a tentar mostrar-se humilde. Foi o que consegui perceber de mim ao longo das minhas vidas. Enxergar de vez em quando quanto cego eu sou, foi o melhor que consegui. Assim, não acredites numa só palavra que eu aqui escrevo. Mas não deixes de ler, para perceberes do que um pomposo presunçoso é capaz.

Sempre me interessei por história universal.

E sempre filosofei sobre a decadência e morte das civilizações Mesopotâmica, Egípcia, Grega e Romana. O que mais me fascinou e fez pensar foi descobrir que a realidade das civilizações sempre dependeu da visão que o ser humano tinha dele em relação ao mundo, ao universo e a Deus.

Desde Babel até ao séc. XVII, altura em que Isaac Newton revolucionou o mundo e a ciência com as novas leis (gravitação universal, a mecânica dos sólidos e dos fluídos, inércia, dinâmica e alquimia), o ser humano julgava ter nascido com uma influência astral. A sua vida dependia dos movimentos astrais, e do temperamento de Deus ou dos deuses mitológicos. Uns julgavam que tinham nascido para predadores, outros para vítimas. Tinham um destino traçado que não poderiam mudar. Com esse conceito de mundo, consultavam os astros para tudo. Para casar, para comprar uma junta de bois ou para invadir a privacidade do vizinho. Teriam também de estar atentos para não desencadear a ira de um Deus tirano, que raramente tirava férias e governava o mundo e o universo com punho firme, como o aço. Com esse conceito as possibilidades de criar a realidade que desejavam era nulas, se não fosse da vontade dos astros e se os deuses não estivessem bem dispostos. Com a chegada de Isaac e a nova visão de mundo e universo, juntamente com o dualismo de René Descartes, a visão de mundo mudou a um ritmo lento e firme, sendo a visão dominante de mundo e universo nos dias de hoje.

Esta visão newtoniana/cartesiana, foi revolucionária na época, alimentando a revolução industrial e o capitalismo Adam Smith e tirando a Europa da época do feudalismo. A melhoria de vida com o desenvolvimento inquestionável em todas as áreas é uma realidade. O ser humano passou a ser livre do senhor feudal, mas tornou-se escravo do medo dele mesmo. Embora tudo isto faça parte de um livro em preparação, este artigo somente tem a pomposa pretensão de mostrar uma nova visão de mundo, segundo a visão da moderna física quântica.

Mas antes de irmos à nova visão de mundo (que nova pouco tem a não ser os termos), precisamos perceber qual a razão da urgência em ampliar a consciência para esse “novo” conceito.

A urgência para mudar de paradigma deve-se à profunda hipnose psicótica em que a humanidade está mergulhada. Apesar de todos os dias desabrocharem novas associações de defesa de animais e plantas e novas formas de luta contra doenças que afligem a humanidade, não se consegue tapar o sol com a peneira. O ser humano perdeu a individualidade, submeteu-se a um conceito normativo, acabando como parte de uma massa fácil de mover e modelar. Todas as doenças crescem a uma velocidade vertiginosa, apesar do milhões de dólares, euros e libras gastos diariamente… A cada três minutos uma mulher recebe um diagnóstico de cancro de mama… Porquê? Porque é que apesar das grandes campanhas contra o fumo a cada dia que passa 4.000 adolescentes começam a fumar no mundo? Porque é que apesar de se queimarem milhões de toneladas de trigo, e se pagar a agricultores para não cultivarem nos próximos 60 minutos 1.800 crianças morrerão de desnutrição e fome? Não falemos de um terço da população mundial contaminada pela tuberculose, nem dos distúrbios alimentares em 25% das mulheres, da síndrome de pânico, dos transtornos obsessivo compulsivo etc. etc. etc. O paradigma newtoniano/cartesiano cega-nos para a realidade, vivemos em estado de hipnose psicótica coletiva.

Será este estado de coisas “normal”?

Só precisamos aceitar que o paradigma newtoniano/cartesiano foi libertador, mas hoje está obsoleto.  Tudo no universo funciona assim…, nasce, cresce desenvolve-se e transforma-se. Se a humanidade já não usa no seu quotidiano, apetrechos construídos segundo as leis da física clássica, salvo raríssimas peças de coleção, a mecânica clássica já só é encontrada em museu. Da mesma forma que a mecânica clássica já não funciona nos utensílios de hoje, também não funciona como estrutura/padrão de princípios tão importantes como o amor, responsabilidade, humildade, honestidade, etc. etc.

Resumindo: a física clássica, com a sua estrutura rígida tridimensional, mantém o ser humano afastado da sua verdadeira identidade divina, excluído do universo e de Deus. Se antes da física clássica era uma marionete sujeita ao movimento astral ou dos astrólogos que os interpretavam…, depois como donos (conhecedores das leis universais) licenciaram-se legalmente na manipulação do próximo e o mundo com essas leis (chamam-lhe Marketing). Apesar dos grandes melhoramentos materiais que trouxeram o conforto e a possibilidade de viajar e admirar as belezas da criação, o homem continua vazio e excluído do mundo e do universo. Tanto manipulando como manipulado, na sua pequenez existencial é incapaz de atingir a santidade, admirando a obra da criação.

Ao não se contentar com a posição de filho rejeitado e muito menos com a angústia do vazio existencial, o homem na sua infinita procura sondou no lugar onde nunca antes tinha procurado. Dentro da matéria (aparência física) onde encontra o novo. O fascinante mundo atómico, pondo em causa a mecânica de Isaac Newton. Dentro dos microcosmos as leis da física clássica não têm utilidade. Tudo é movimento, fluxo e interação…, uma dança infinita onde tudo se encadeia.

Como é que essa descoberta pode salvar a humanidade do vazio existencial?

Essas descobertas revelam-nos os princípios espirituais do universo onde a criação (Deus) é reconhecida em tudo. Tudo o que existe é energia (Deus), está dentro da energia, enfim…, tudo é criação (ou Deus como cada um o concebe). Todas as coisas possuem uma natureza divina que reside latente dentro de si mesmas. Do ser mais pequeno ao maior, do átomo ao sol, da molécula a qualquer ser visível ou invisível, tudo que acontece no universo faz parte da perfeição divina. É urgente escolhermos se queremos continuar com a consciência clássica (relíquia de museu), submersos no vazio angustiante do sofrimento ou sair e assumir a divindade que carregamos no mais profundo de nós mesmos. Mas não importa se que aqueles que leem este texto façam de conta que isto não é para eles. A essência divina existe, está lá…, esperando a hora de se manifestar em toda a sua pureza e grandeza. Saber que a perfeição reside oculta em nosso ser é uma certeza que devemos ter sempre presente.

A partir desta premissa poderemos desenvolver uma nova visão de mundo, o texto já vai longo. Vou deixar para amanhã os novos princípios espirituais da mecânica quântica. Repito, que de novo pouco têm…

Incondicionalmente disponível fico a aguardar pelas dúvidas,

António Fernandes

Pin It on Pinterest