Introdução

Introdução

Uma nova pedagogia para uma nova humanidade

Pedagogia quântica para pais, alunos e professores

“Quando deixamos de tentar tapar o sol com a peneira e somos honestos e responsáveis connosco… enxergamos quanto falhámos como pais, mestres e educadores”.

O despertar da limitação do ter para a plenitude do ser está a fazer a mudança mais profunda, excitante e desafiadora de toda a história da humanidade. Apesar de todos sabermos que a mudança passa por desmoronar os velhos sistemas social, político e financeiro, a resistência é grande e feroz, porém… inútil. Nada pode travar a evolução do ser humano e da humanidade como um todo. O mundo e a humanidade entraram numa nova era, e quanto menos se resistir à mudança mais fácil será a transição. Basta observar à nossa volta e vemo-nos num mar de jovens adultos aflitos e ansiosos no limbo da transição. Não importa o seu grau académico, a profissão que desempenhem, ou o lugar que ocupem…, por todo o lado e em todas as instituições deparamo-nos com o medo (incerteza do novo), vincado por uma gravata ou uma bata branca com cabeça erguida a tentar esconder a deceção dos sonhos tridimensionais trazidos na bagagem que não se realizam.

Como será a nova humanidade? 

Chegou a hora de guardarmos as armas e abandonarmos as nossas velhas guerras e lutas pela sobrevivência. Apesar da resistência ao novo desconhecido, o mundo caminha para o bem-estar integral, manifestado na paz interior, protagonista do paraíso na terra.

“Isaías 11 …6 O lobo conviverá com o cordeiro e o leopardo repousará junto ao cabrito. O bezerro, o leão e o novilho gordo se alimentarão juntos pelo campo; e uma criança os guiará”.

 Chega de luta e frustração! Basta de sofrimento!Estejamos atentos aos sinais emesmo que cegamente queiramos agarrar-nos às velhas ideias, a nova geração não vai permitir. Se quisermos enxergar, deparamo-nos com a crescente revolta das nossas crianças e jovens, manifestada através do desinteresse pelo programa de ensino. Não seria melhor ensinarmos-lhes o que eles querem aprender, do que querer que eles aprendam o que nós queremos que eles aprendam? Porque é que não aprendemos com a última década de licenciados? Quantos deles desempenham a profissão pelo qual estudaram e conseguiram uma licença de trabalho? É bom que meditemos sobre isso.

 Os sinais são esclarecedores do quanto a reação é imatura.

NOTA: TDAH (Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade) é o nome dado às crianças e jovens que manifestam o seu desinteresse pela normalização e formatação. Infelizmente a cegueira é ainda tão grande, que em vez de entendermos que algo está mal “ no reino” e atendermos ao real interesse das nossas crianças e jovens, estimulando-os a desenvolverem os seus talentos criativos, para que no futuro sejam adultos seguros e autoconfiantes, capazes de viver uma vida plena e feliz, catalogamo-los como indisciplinados e resistentes à normalização e drogamo-los com “ritalina” de forma a que não tenham mais poder para manifestar a sua vontade.

Será que alguém tem o direito de drogar uma criança indefesa, em nome de uma normalização? O conceito de normalização aplicado ao ser humano é algo muito pouco inteligente (reflete o caos em que se encontra o velho sistema social). Só porque a criança não quer pertencer ao mundo dos tais “vitoriosos infelizes” é marginalizada.

Vivemos na “Santa inquisição”? Ou é a luta desesperada para tomar o controlo?

Como será a futura geração de adultos? Será que teimamos em não querer ver? Continuamos a ser os nossos piores inimigos? Preferimos deixar os nossos egos entupir a evolução do mundo e da humanidade? É ridículo, mas preferimos continuar agarrados às nossas ideias, do que sermos honestos e reconhecer que o mundo já mudou e que a nossa velha forma de pensar já não funciona. 

Como passar pela mudança de forma tranquila e agradável?

Neste momento existem no mundo milhares de movimentos de boa vontade e com grande capacidade de resposta. Desde a revolução cultural da “Laudato si’” do Papa Francisco com a nova encíclica; “A economia de Francisco”, em que o papa convoca jovens e economistas para “mudar o mundo”; até a novo paradigma científico que reinventa a roda e está a mudar a face da terra, com milhares de homens e mulheres a porem em prática (o melhor que conseguem) os novos princípios quânticos.

A mecânica quântica não só deu origem à nova era da eletrónica com toda a tecnologia de ponta, como traz consigo a mudança para a unicidade do ser humano com a sua verdadeira essência divina. Traz a energia da união de dois polos e deita por terra a dualidade de Descartes e o velho paradigma científico tridimensional. As duas polaridades positivo e negativo fundem-se numa união sagrada assim como toda dualidade existente dentro de cada um: masculino, feminino, etc….

Essa unicidade dá-nos uma nova consciência, uma nova forma de estar e de interagir com o mundo e a realidade que nos envolve. Esta nova consciência faz-nos sentir conectados com tudo e com o todo. 

Não importa o lugar em que cada um de nós se encontre, uma nova realidade só pode surgir de uma nova expansão da consciência. E a Casa Escola António Shiva®, assim como outras organizações no mundo, adotou e desenvolveu nos últimos anos uma pedagogia baseada nos princípios teóricos da mecânica quântica, com resultados maravilhosos em todas as áreas da vida dos seus elementos.

Uma rápida visão

A mecânica quântica é atualmente a teoria científica mais abrangente, precisa e útil na aplicação ao quotidiano. Porém, para uma mente ainda treinada no velho paradigma materialista/dualista, gera alguma confusão…, sobretudo em relação à forma pela qual a teoria se relaciona com a ação no quotidiano. Como a mecânica quântica descreve com precisão o fluxo contínuo no mundo microscópico de átomos e moléculas, a sua interpretação através de uma mente limitada ao conceito tridimensional é confusa.  Por essa razão, apesar de 98% de todos os instrumentos que usamos diariamente serem resultado da mecânica quântica (eletrónica), tentar perceber através dos conceitos materialistas é entrar num beco sem saída.

Uma breve descrição da mecânica quântica e sua utilidade nas ações cotidianas.

A mecânica quântica surgiu no século XX como uma ciência que estuda o movimento do mundo atómico (moléculas, átomos e partículas subatómicas), que trazem à luz aquilo que identificamos por matéria ou realidade. Este novo entendimento veio revolucionar e deitar por terra o paradigma Newtoniano/cartesiano. 

Então vejamos, em vez do determinismo da física Newtoniana e dualismo Cartesiano, a mecânica quântica apresenta o princípio da incerteza num mundo de infinitas possibilidades. Ou seja, segundo a física Newtoniana o mundo é avaliado através de fórmulas, cálculos e resultados precisos. A física quântica é a física das possibilidades. Ou seja, antes da sua materialização tudo é possível. Apesar de não ser possível prever o comportamento das partículas subatómicas, podemos interferir no resultado.

Vamos com calma…, tudo que existe é feito de uma mesma coisa…, átomo. Tudo é átomo, desde um pensamento, sentimento e emoção, até o corpo que cada um de nós habita. O átomo e as partículas subatómicas que gravitam em seu redor são  a unidade básica da matéria.

  As partículas subatómicas são vistas como ondas de possibilidades, que podem estar em qualquer lado…, lá, cá ou em qualquer parte incerta. Por exemplo, o elétron, que é uma partícula subatómica, comporta-se como partícula e como onda simultaneamente, e uma não existe sem a outra. Ou seja, é juntamente partícula e onda (não há dualidade) . Mas tem mais, o seu movimento é constante, podendo estar em vários lugares ao mesmo tempo.

Assim, a ciência moderna ao provar que não se pode separar a partícula (matéria) da onda (energia) e que todas as possibilidades estão em aberto perante qualquer acontecimento, deita por terra o conceito dualista-Cartesiano.

Em que é que este conhecimento nos pode ajudar no quotidiano?

Perante isto; e com o conhecimento que tudo que existe é feito de átomos…, desde o pensamento, sentimento e emoções; até tudo que é visível ou invisível no universo; ficamos libertos do comportamento reativo (luta pela sobrevivência), causa essencial do sofrimento. Mas há mais…, é comprovado cientificamente que interferimos diretamente no desfecho de qualquer acontecimento, através do simples ato de observar (o observador interfere no objeto ou acontecimento observado, tendo consciência disso ou não). Esta prova científica deita por terra o mito, da “sorte ou azar” e esclarece a razão de duas pessoas na mesma profissão ou mesmo negócio, no mesmo lugar, terem resultados opostos. Enquanto uma tem sucesso, outra mergulha no fracasso.

E como é que isso acontece?

É comprovado por experiências científicas que o ato de observar altera o rumo do elétron, mas o cientista (observador) não pode prever o seu comportamento e destino.  Mas há mais…, quando o observador no seu ato de observar altera o movimento do átomo, ele influencia outros átomos, dando-se assim o conhecido “entrelaçamento de onda”. Mas o mais interessante de tudo é que essa influência ou entrelaçamento de onda pode dar-se em qualquer parte do planeta ou mesmo em outro planeta (por exemplo, a forma de observar um acontecimento aqui no Ribatejo, pode influenciar na China, Japão, Brasil ou até na Lua ou Marte). Não existe o conceito de espaço ou distância na mecânica quântica. 

Na verdade, estes princípios quânticos estão na base da tecnologia usada diariamente. Tanto neste computador com que escrevo neste momento este livro pedagógico, como de todo o resto. Desde a inteligência artificial, à robótica, desde o simples cartão de cidadão, ao de crédito ou de débito. Nada escapa a estes princípios quânticos. Mas se agarrarmos nestes princípios e estabelecermos um paralelo no quotidiano educacional, financeiro ou nos relacionamentos, vemos milagres acontecer no nosso mundo.

Vamos lá…,

Então vejamos; se tudo que existe visível e invisível é feito de átomos, e se por meio da observação, somos capazes de influenciar a realidade microscópica do átomo, também podemos alterar a nossa realidade se mudarmos a forma como enxergamos (observamos) a vida. Perante este facto incontestável, é necessário desenvolver uma nova forma de nos vermos e de enxergar o mundo que nos rodeia, se de facto queremos mudar a realidade que experimentamos.

Sorte ou azar é a teoria da ignorância, chegou a hora de assumirmos o comando da nossa vida. Se analisarmos com cuidado a realidade que cada um de nós experimenta, percebemos que ela não é mais do que o reflexo da forma como nos vemos, vemos os outros e vemos o mundo.

Atelier de Mecânica Quântica em Ação

Atelier de Mecânica Quântica em Ação

A Casa Escola António Shiva® promove, pela primeira vez, um programa inovador para jovens de ambos os sexos dos 12 aos 16 anos, que tem como objetivo ocupar os tempos livres dos jovens, com a ação consciente da mecânica quântica durante as férias escolares, em título experimental, nomeadamente no mês de julho de 2019.

Com esta iniciativa a Casa Escola António Shiva® tem como objetivo ajudar os jovens a criarem a sua própria autonomia e bases sólidas para a vida, iniciando por limpar o stress gerado e acumulado durante o ano letivo e despertar a criatividade e genialidade muitas vezes já adormecidas com o fútil e superficial.

Datas do Atelier ( períodos disponíveis):

01 a 07 de julho de 2019

01 a 14 de julho de 2019

08 a 14 de julho  de 2019

08 a 21 de julho de 2019

15 a 21 de julho de 2019

15 a 28 de julho de 2019

22 a 28 de julho de 2019

Para mais detalhes ou para marcações consulte: https://solucaoperfeita.com/casaescola/atelier-de-mecanica-quantica-em-acao

Uma nova visão de mundo III

Uma nova visão de mundo III

«Pela fé compreendemos que o Universo foi criado por intermédio da Palavra de Deus e que aquilo que pode ser visto foi produzido a partir daquilo que não se vê».

da Bíblia em Hebreus 11:3

Em continuação da série de artigos “Uma Nova Visão de Mundo” mais uma vez falaremos da mecânica quântica. Opto pela mecânica da física moderna, a ciência mãe das tecnologias que governam o mundo, porque não sou um iluminado mas um simples espectador da realidade, que as minhas curtas vistas conseguem enxergar. Protejo-me assim de alguma forma de controvérsias inúteis que em nada dignificam a inteligência humana. Vejamos; há poucos dias Elon Musk, o visionário filantropo sul-africano-canadense-americano fundador da Tesla, disse em entrevista que o seu receio é a inteligência artificial. E essa análise feita por um visionário fez-me repensar algumas das questões absurdas com que me venho confrontando nos últimos 20 anos. Então vejamos, numa época em que inteligência artificial faz parte do quotidiano de todos; numa altura em que foi dada pela Arábia Saudita a cidadania à Sophia “robô humanóide”, capaz de aprender e trabalhar com humanos, adaptando-se ao seu comportamento e hábitos, continua-se a resistir à mudança de paradigma, agarrados como por hipnose psicótica à ilusão da aparência. Mesmo após campanhas e alertas catastróficos da O.M.S. não para de crescer a velocidade estonteante a ansiedade, depressão, síndrome de pânico, doenças psicossomáticas, guerras.

Não vou falar agora do porquê dessa conduta autodestrutiva do homem moderno que cria as suas próprias fontes de dor, porque para isso teríamos de entrar em dogmas religiosos, científicos e filosóficos.

A nova visão de mundo não é uma simples opção que se pode querer ou não, é uma decisão entre vida ou morte; paraíso ou inferno; saúde ou doença; reação ou pro-ação. É imprescindível para todos aqueles que estão cansados do vazio existencial e do sentimento de inutilidade. Com a mecânica quântica enxerga-se com clareza como viver em harmonia com a vida e com Deus, mudando de uma conduta reativa para uma conduta proativa. É para quem precisa de resultados, não para quem ainda quer filosofar em vez de ser. Porque não basta saber que a vida é uma passagem de curta duração entre o nascimento e a morte e que cada minuto não usado para a autorrealização jamais poderá ser recuperado. Não basta reconhecer que usamos o pouco tempo que nos resta em controvérsias que não acrescentam nada, nem trazem felicidade a alguém. Não basta saber que vivemos apegados ao efémero e partimos desta realidade e deixamos cá tudo pelo qual lutamos. Tudo isso foi proclamado pelo Nazareno, mas ao fim de 2000 anos continua-se na mesma. É preciso Ser.

Voltemos à nova visão de mundo e o que a ciência moderna nos diz do universo e do mundo. Vimos nos artigos anteriores que tudo que existe no universo visível e invisível é energia (há quem lhe chame Deus, Ki Shi, Prana, etc…). Todas as coisas possuem a natureza da criação que reside latente dentro de si mesmas; vimos também que tudo faz parte de tudo. Temos tudo dentro de nós. Vimos também que nada acontece por acaso tudo tem um propósito universal. Vimos que tudo está interligado, não podemos magoar ou roubar a não ser a nós mesmos. Em vez de filosofarmos em relação à situação mundial, a física moderna diz-nos que precisamos de nos transformar a nós mesmos, mudar o nosso comportamento e alcançar a verdadeira felicidade e plenitude em nossas vidas, para executar a missão pela qual decidimos nascer.

A Cabbala com cinco mil anos diz “aquilo que os nossos olhos testemunham no mundo exterior todo o mal, toda a perversão, não passa de uma imagem no espelho refletindo os resquícios de mal que jazem ocultos e não detetados nos nossos corações”.

Não vou continuar a lembrar o já escrito e vamos saber como numa nova visão de mundo, uma visão espiritualista guiada pela mecânica da “moderna” física quântica transformamos o que o materialista chama crise numa bênção.

Vamos com calma, que uma mente empoeirada pela complicada ilusão materialista tem dificuldades em lidar com a simples prática da mecânica quântica aplicada no quotidiano. Hoje a inteligência artificial ou tecnologia de ponta resulta da ciência das possibilidades (física quântica). Todos estamos familiarizados com as constantes atualizações dos computadores telemóveis etc., mas ficamos agarrados a conceitos que já foram úteis, mas que hoje certamente não o são.

Então vamos lá…, um observador com mente materialista cega pela ilusão da matéria, reage à aparência do acontecimento ou coisa, criando uma crise. O observador de mente embebida na nova visão de mundo perante um acontecimento não esperado ou coisa aparentemente prejudicial, não reage à aparência porque sabe que tudo é energia e a ocorrência tem um propósito amplo dentro de infinitas possibilidades. Aqui o observador de mente aberta e vistas limpas decide que seja feita a vontade do todo (consciente de certeza e autoconfiança que a vontade do todo não lhe dá o que pensava receber mas muito mais do que poderia imaginar). Aquilo que uma mente materialista chama crise, um espiritualista chama bênção. Aqui estão usadas as duas primeiras leis da mecânica do universo, que dão origem ao famoso entrelaçamento de onda, manifestando-se na terceira lei da mecânica quântica: o observador atrai na mesma frequência e densidade que irradia.

Resumindo: A mecânica quântica ao ser aplicada no quotidiano pelo ser humano,mudará o mundo e a humanidade. Com a nova visão de mundo sabemos que tudo tem um propósito e que os problemas moram dentro de nós. As coisas só têm a energia que o observador (nós) colocamos nelas e exercem em nós a influência que permitimos. Nada acontece por acaso, tudo tem um objetivo mais amplo e profundo.

Como artigo já vai longo, antes que a confusão possa tomar o lugar do pretendido aclarar, despeço-me e termino com uma citação do Hanyashingyo, Sutra do coração e do conhecimento budista, «aquilo que pode ser visto não tem forma e aquilo que não pode ser visto tem forma».

Incondicionalmente disponível,

António Teixeira Fernandes

Artigos anteriores:

Uma Nova Visão do Mundo 

Uma Nova Visão do Mundo II

Uma nova visão de mundo

Uma nova visão de mundo

Sei que sou um presunçoso a tentar mostrar-se humilde. Foi o que consegui perceber de mim ao longo das minhas vidas. Enxergar de vez em quando quanto cego eu sou, foi o melhor que consegui. Assim, não acredites numa só palavra que eu aqui escrevo. Mas não deixes de ler, para perceberes do que um pomposo presunçoso é capaz.

Sempre me interessei por história universal.

E sempre filosofei sobre a decadência e morte das civilizações Mesopotâmica, Egípcia, Grega e Romana. O que mais me fascinou e fez pensar foi descobrir que a realidade das civilizações sempre dependeu da visão que o ser humano tinha dele em relação ao mundo, ao universo e a Deus.

Desde Babel até ao séc. XVII, altura em que Isaac Newton revolucionou o mundo e a ciência com as novas leis (gravitação universal, a mecânica dos sólidos e dos fluídos, inércia, dinâmica e alquimia), o ser humano julgava ter nascido com uma influência astral. A sua vida dependia dos movimentos astrais, e do temperamento de Deus ou dos deuses mitológicos. Uns julgavam que tinham nascido para predadores, outros para vítimas. Tinham um destino traçado que não poderiam mudar. Com esse conceito de mundo, consultavam os astros para tudo. Para casar, para comprar uma junta de bois ou para invadir a privacidade do vizinho. Teriam também de estar atentos para não desencadear a ira de um Deus tirano, que raramente tirava férias e governava o mundo e o universo com punho firme, como o aço. Com esse conceito as possibilidades de criar a realidade que desejavam era nulas, se não fosse da vontade dos astros e se os deuses não estivessem bem dispostos. Com a chegada de Isaac e a nova visão de mundo e universo, juntamente com o dualismo de René Descartes, a visão de mundo mudou a um ritmo lento e firme, sendo a visão dominante de mundo e universo nos dias de hoje.

Esta visão newtoniana/cartesiana, foi revolucionária na época, alimentando a revolução industrial e o capitalismo Adam Smith e tirando a Europa da época do feudalismo. A melhoria de vida com o desenvolvimento inquestionável em todas as áreas é uma realidade. O ser humano passou a ser livre do senhor feudal, mas tornou-se escravo do medo dele mesmo. Embora tudo isto faça parte de um livro em preparação, este artigo somente tem a pomposa pretensão de mostrar uma nova visão de mundo, segundo a visão da moderna física quântica.

Mas antes de irmos à nova visão de mundo (que nova pouco tem a não ser os termos), precisamos perceber qual a razão da urgência em ampliar a consciência para esse “novo” conceito.

A urgência para mudar de paradigma deve-se à profunda hipnose psicótica em que a humanidade está mergulhada. Apesar de todos os dias desabrocharem novas associações de defesa de animais e plantas e novas formas de luta contra doenças que afligem a humanidade, não se consegue tapar o sol com a peneira. O ser humano perdeu a individualidade, submeteu-se a um conceito normativo, acabando como parte de uma massa fácil de mover e modelar. Todas as doenças crescem a uma velocidade vertiginosa, apesar do milhões de dólares, euros e libras gastos diariamente… A cada três minutos uma mulher recebe um diagnóstico de cancro de mama… Porquê? Porque é que apesar das grandes campanhas contra o fumo a cada dia que passa 4.000 adolescentes começam a fumar no mundo? Porque é que apesar de se queimarem milhões de toneladas de trigo, e se pagar a agricultores para não cultivarem nos próximos 60 minutos 1.800 crianças morrerão de desnutrição e fome? Não falemos de um terço da população mundial contaminada pela tuberculose, nem dos distúrbios alimentares em 25% das mulheres, da síndrome de pânico, dos transtornos obsessivo compulsivo etc. etc. etc. O paradigma newtoniano/cartesiano cega-nos para a realidade, vivemos em estado de hipnose psicótica coletiva.

Será este estado de coisas “normal”?

Só precisamos aceitar que o paradigma newtoniano/cartesiano foi libertador, mas hoje está obsoleto.  Tudo no universo funciona assim…, nasce, cresce desenvolve-se e transforma-se. Se a humanidade já não usa no seu quotidiano, apetrechos construídos segundo as leis da física clássica, salvo raríssimas peças de coleção, a mecânica clássica já só é encontrada em museu. Da mesma forma que a mecânica clássica já não funciona nos utensílios de hoje, também não funciona como estrutura/padrão de princípios tão importantes como o amor, responsabilidade, humildade, honestidade, etc. etc.

Resumindo: a física clássica, com a sua estrutura rígida tridimensional, mantém o ser humano afastado da sua verdadeira identidade divina, excluído do universo e de Deus. Se antes da física clássica era uma marionete sujeita ao movimento astral ou dos astrólogos que os interpretavam…, depois como donos (conhecedores das leis universais) licenciaram-se legalmente na manipulação do próximo e o mundo com essas leis (chamam-lhe Marketing). Apesar dos grandes melhoramentos materiais que trouxeram o conforto e a possibilidade de viajar e admirar as belezas da criação, o homem continua vazio e excluído do mundo e do universo. Tanto manipulando como manipulado, na sua pequenez existencial é incapaz de atingir a santidade, admirando a obra da criação.

Ao não se contentar com a posição de filho rejeitado e muito menos com a angústia do vazio existencial, o homem na sua infinita procura sondou no lugar onde nunca antes tinha procurado. Dentro da matéria (aparência física) onde encontra o novo. O fascinante mundo atómico, pondo em causa a mecânica de Isaac Newton. Dentro dos microcosmos as leis da física clássica não têm utilidade. Tudo é movimento, fluxo e interação…, uma dança infinita onde tudo se encadeia.

Como é que essa descoberta pode salvar a humanidade do vazio existencial?

Essas descobertas revelam-nos os princípios espirituais do universo onde a criação (Deus) é reconhecida em tudo. Tudo o que existe é energia (Deus), está dentro da energia, enfim…, tudo é criação (ou Deus como cada um o concebe). Todas as coisas possuem uma natureza divina que reside latente dentro de si mesmas. Do ser mais pequeno ao maior, do átomo ao sol, da molécula a qualquer ser visível ou invisível, tudo que acontece no universo faz parte da perfeição divina. É urgente escolhermos se queremos continuar com a consciência clássica (relíquia de museu), submersos no vazio angustiante do sofrimento ou sair e assumir a divindade que carregamos no mais profundo de nós mesmos. Mas não importa se que aqueles que leem este texto façam de conta que isto não é para eles. A essência divina existe, está lá…, esperando a hora de se manifestar em toda a sua pureza e grandeza. Saber que a perfeição reside oculta em nosso ser é uma certeza que devemos ter sempre presente.

A partir desta premissa poderemos desenvolver uma nova visão de mundo, o texto já vai longo. Vou deixar para amanhã os novos princípios espirituais da mecânica quântica. Repito, que de novo pouco têm…

Incondicionalmente disponível fico a aguardar pelas dúvidas,

António Fernandes

Quando já nada faz sentido – HÁ UMA SOLUÇÃO

Quando já nada faz sentido – HÁ UMA SOLUÇÃO

Mude a consciência… crie uma nova realidade

Não estou aqui para ensinar nada a ninguém, muito menos para tentar convencer seja quem for. Quando chegamos a um beco sem saída, quando já nada faz sentido, chegou a hora de mudar. Foi assim comigo e é assim com todos, que em vez de ficarem no vitimismo, preferem deixar a sua pegada na nova era. Já há mais de dezoito anos que em todos os meus artigos eu alerto para o facto de o mundo já ter mudado.

Nessa mudança, o ser humano deixou de se deslocar na horizontal para se deslocar na vertical. Mas muitos de nós, acredito que a esmagadora maioria, não estariam prontos para essa mudança e continuamos a deslocarmo-nos na horizontal até quando tomamos consciência que a nossa vida não faz sentido algum. Assim, com a admissão da impotência
em relação à situação que nos encontramos, começamos a perder a densidade das nossas estruturas mentais e a consciência começa a aclarar. Começamos a entender que andamos a lutar por aquilo que não conseguimos suportar. Percebemos que vamos num caminho paralelo à vida. E que todas as nossas lutas, vitórias e derrotas não passaram de jogos de diversão para nos alhearmos da própria vida. Não importa o porquê, nem quem nos levou ao engano. Tentar perceber o porquê seria iniciar ilusoriamente outro jogo para continuarmos afastados da essência da vida.

Se te identificas com o que foi escrito nestas duas centenas de palavras estás pronto para o acesso a uma consciência mais ampla e liberta da atração da lei da gravidade materialista. Já aprendeste que os sentidos nos enganam e toda a competitividade foi uma luta ilusória pela sobrevivência. Criando uma luta infantil de faz de conta em que predador e vítima alternavam jogo após jogo.

Vejamos como ainda se encontram milhões de pessoas em todo o mundo. Mergulhados na ilusão dos sentidos, identificando-se com o problema que transportam consigo, em vez de seres espirituais dotados de poder divino à procura de uma solução perfeita e criativa.
Recebo diariamente, na rubrica A Casa Escola António Shiva tem uma solução, dezenas de pedidos de ajuda como estes, que recebi nos últimos 10 minutos, enquanto escrevia estas palavras:

Qual é a tua situação: Minha filha tem 17 anos e tem epilepsia de difícil controle desde que nasceu.
O que desejas: Gostaria de saber se ela pode tomar oxxxxxxxxx, se é bom para o caso de epilepsia. Ela toma remédios de uso continuo. Obrigada
Qual é a tua situação: Tive ataque cardíaco, uma artéria entupida, e tenho verificado que minha pressão está sempre um pouquinho alta. O resto tá ok. Qual a dosagem por quanto tempo tomo. obrigado
O que desejas: A contraindicação no meu caso?
Reparem que aqui o autor, um homem de 57 anos, nem refere o suplemento que pede sugestão.
Qual é a tua situação: Tenho alopecia áreata fibrosante.
O que desejas: Gostaria de saber se o xx pode resolver o meu problema e caso seja possível como proceder? Desde já agradeço.
Qual é a tua situação: Tenho hipotiroidismo e tomo xxxxxxxx diariamente.
O que desejas: Posso usar xxxxxxxxxxxxxxx?

É com o coração a vibrar de gratidão e muita compaixão que respondo diariamente a todos estes pedidos de ajuda. Mas se
repararmos com atenção percebemos que todos eles se identificam com o problema que carregam consigo. Na questão “o que desejas” ninguém procura a recuperação do problema, mas algo que possa juntar ao que já tem para o remediar. São homens e mulheres presos na ilusão dos sentidos, necessitando de ajuda para as suas maleitas. Merecedores de todo o respeito, amor e carinho ainda profundamente adormecidos. Este artigo, assim como os projetos da Casa Escola António Shiva , não se destinam a estes a que ainda não chegou a hora do despertar, apesar de os ajudarmos com nossa experiência, no mundo em que ainda se encontra.

O despertar de uma nova consciência pode ter origem na dor ou no amor. Quem não desperta através do amor, pode despertar como eu, através da dor. Ninguém vai ficar para trás, a humanidade está a entrar na “terra prometida”.

O que está a ser feito?

A Casa Escola António Shiva, assim como milhares de outras comunidades por todo o mundo, está a receber homens e mulheres, de todo o mundo, que chegaram ao fim da linha e a quem já nada faz mais sentido. Para que juntos e com a nossa experiência, possamos ajudar outros que estão a viver o que já vivemos a despertar e ampliar a consciência, criando uma nova realidade e contribuindo para o despertar de milhões como nós que um dia acordam e perceberam que a competição (vida de luta) só cava o vazio existencial.

Agora as perguntas mais frequentes:

  • Estaremos prontos para uma transformação de consciência e evolução interior tão radical e profunda que possamos superar todo o nosso sofrimento?
  • Seremos capazes de nos libertar da armadura do preconceito e tornamo-nos seres genuínos, libertos de julgamento?
    Penso que é este o caminho! Percorro-o nos últimos 20 anos.
  • E se não for este o caminho?
    Pode não ser este o caminho, só posso responder por mim. Neste caminho eu sinto-me realizado e feliz. Hoje quando vivemos rodeados da inteligência artificial, em que os conceitos tridimensionais do materialismo e o dualismo cartesiano caíram por terra, não seria muito inteligente guiar-me pelas mesmas veredas que levaram a humanidade a demência. Não estou aqui para ensinar nada a ninguém, muito menos para tentar convencer seja quem for. Foi assim com estas palavras que iniciei este artigo.

E com elas quero terminar, mas antes de me despedir, quero lembrar que as estruturas que governam este mundo estão a cada dia que passa mais instáveis, apesar do esforço para manter as aparências. O mundo já mudou e uma nova humanidade está a surgir. Os nossos netos são os protagonistas do novo mundo, compete-nos a nós, que vivemos no velho e novo mundo sermos o modelo de transformação e deixar este mundo melhor do que o encontramos.

É este o propósito primordial da Casa Escola António Shiva.
António Fernandes

Pin It on Pinterest