Pressão arterial e magnésio – Magnésio de A a Z

pressão arterial e magnésio

O que é a pressão arterial?

A pressão arterial é a pressão exercida pelo sangue na parede das artérias. É um importante indicador da saúde do sistema cardiovascular, uma vez que alterações nos seus valores podem indicar problemas no coração e nos vasos sanguíneos.

O Magnésio e a pressão arterial

Níveis adequados de magnésio são essenciais para a elasticidade das artérias. Sem o equilíbrio adequado entre magnésio e cálcio, em uma razão de um para um, o cálcio acaba se depositando nas artérias coronárias, resultando em artérias obstruídas.

As artérias tornam-se duras, rígidas, inflexíveis, o que restringe o fluxo de sangue e provocando a pressão arterial elevada.

O Magnésio também atua dentro das células do corpo para regular a quantidade de sódio e potássio. Muito sódio em relação à quantidade de potássio nas células faz com que a pressão de sangue seja mais elevada.

“Se faltar magnésio na formação das células, invade o seu lugar o cálcio, tipo “pedrinha”. Tais células vão perdendo flexibilidade e atividade, e todo o corpo endurece, envelhece e se cansa à toa. Aí, o “diabo está solto”… O cálcio mata pelo menos 80% por doenças como calcificações, artrites, ciáticas incuráveis, cancro, enfartes – umas 6 mil doenças. Umas são de doer e gemer. Outras são de morrer, no duro! “

Padre Beno José Schorr
Prof. de Física, Química e Biologia 
Colégio Catarinense

No caso da pressão arterial alta, o magnésio relaxa as artérias, permitindo que o sangue flua de uma maneira melhor.

No caso da pressão arterial baixa, o magnésio, por ser essencial para a ativação de ATP (molécula de energia do organismo), permite ao coração ter mais energia para bombear o sangue para todo o corpo.

Como usar o magnésio?

O magnésio é um elemento essencial ao bem estar do organismo e deve ser reposto diariamente. Deve ser utilizado  segundo as indicações do seguinte artigo https://antoniofernandes.solucaoperfeita.com/magnesio-sal-da-vida/.

Do livro Magnésio, o Sal da Vida

Nota: A informação contida nesta página, não substitui a opinião de um técnico de saúde. Para um acompanhamento mais personalizado contacte as Terapias Online ou Há sempre uma solução perfeita na Casa Escola António Shiva

Pack de 5 Cloreto de Magnésio P.A. 100g + Oferta de 100g

Deficiência de Magnésio, Vitamina D e Cálcio

Deficiência em Magnésio 

A deficiência em magnésio é um factor importante nos resultados obtidos na vitamina D. De acordo com a Dra. Carolyn Dean, perita em magnésio e Directora Médica da Associação Nutritiva não lucrativa do magnésio, a eficácia e os benefícios desta vitamina são extremamente minados na ausência dos níveis adequados de magnésio no corpo.

O magnésio actua com, e é essencial à actividade da vitamina D, no entanto a maioria das pessoas não obtêm a dose diária recomendada deste mineral importante.

Deficiência em Vitamina D

A vitamina D é obtida a partir da exposição à luz solar e é encontrada em alguns alimentos. Pesquisas mostraram que a deficiência desta vitamina é um grande fator em inúmeras doenças.

 “Muitos povos começaram a tomar consciência dos benefícios de saúde surpreendentes que a vitamina D tem para oferecer na prevenção da doença, mas não podem obter os seus benefícios completos sem igualmente suplementar as suas dietas com o magnésio, que é um nutriente vital que trabalha cinegeticamente com essa vitamina,” diz a Dra. Dean.

Níveis Adequados de Magnésio

“Os níveis adequados de magnésio no corpo são essenciais para a absorção e o metabolismo não somente da vitamina D mas do cálcio também. O magnésio converte a vitamina D de modo que possa ajudar na absorção do cálcio. O magnésio estimula uma hormona particular, a calcitonina, que ajuda a preservar a estrutura do osso, resgata o cálcio de onde ele não pertence, colocando-o de novo nos ossos, impedindo a osteoporose, artrite e as pedras no rim.”

Dr. John Cannell, Director Executivo do Conselho não lucrativo da Vitamina D, reconhece igualmente a importância do magnésio como um nutriente exigido para o metabolismo apropriado dessa vitamina, ao adicionalmente mencionar diversos estudos que ilustram este ponto. O magnésio activa a vitamina D, e esta, por sua vez, inibe o depósito do cálcio nas artérias.

Um novo estudo conduzido pelo professor Qi Dai, da Vanderbilt University, em parcerias com pesquisadores de Harvard, descobriu que o consumo elevado de magnésio na dieta ou o uso de suplementos está associado com uma redução significativa dos riscos de deficiência ou insuficiência de vitamina D. O estudo teve com base informações do National Health and Nutrition Examination Survey.

O levantamento, publicado na BMC Medicine, mostrou ainda que altos níveis séricos de vitamina D foram associados com riscos reduzidos de morte por doenças cardiovasculares e cancro colo-rectal apenas entre as pessoas com elevada ingestão de magnésio.

A pesquisa foi realizada com apoio do National Institutes of Health, o Instituto Americano para Pesquisa do Cancro e do Instituto Vanderbilt de Pesquisa Clínica e Translacional.

Difteria e Magnésio – Magnésio de A a Z

Difteria e Magnésio

O que é a Difteria?

A difteria é uma doença contagiosa caracterizada pela presença de falsas membranas esbranquiçadas nas mucosas da garganta e da laringe. As anginas diftéricas são as manifestações mais frequentes desta doença. 

Magnésio e o tratamento da Difteria

Em 1943, o Dr. A. Neveu usou uma solução de magnésio num caso de difteria para reduzir os riscos de choque anafilático, devido ao soro anti-difteria que estava pronto para administrar. Para sua grande surpresa, quando no dia seguinte os resultados laboratoriais confirmaram o diagnóstico de difteria, a menina estava completamente curada,  antes que ele tivesse usado o soro.

Também segundo Dr. Raul Vergini, o “magnésio tem um poder de cura único sobre doenças virais e bacterianas agudas. Ele curou poliomielite e difteria e foi o principal tema do meu livro sobre o magnésio.”

Como usar o magnésio?

O magnésio é um elemento essencial ao bem estar do organismo e deve ser reposto diariamente. Deve ser utilizado  segundo as indicações do seguinte artigo https://antoniofernandes.solucaoperfeita.com/magnesio-sal-da-vida/.

Do livro Magnésio, o Sal da Vida

Nota: A informação contida nesta página, não substitui a opinião de um técnico de saúde. Para um acompanhamento mais personalizado contacte as Terapias Online ou Há sempre uma solução perfeita na Casa Escola António Shiva

Pack de 5 Cloreto de Magnésio P.A. 100g + Oferta de 100g

Psoríase e Magnésio – Magnésio de A a Z

Psoríase e Magnésio

O que é a psoríase?

A psoríase é uma doença da pele que se manifesta sob a forma de placas, principalmente na zona dos cotovelos, joelhos, couro cabeludo, mãos e pés. Estas placas são lâminas acumuladas umas sobre as outras. As placas antigas, mais espessas, são brancas e, em contacto com o vestuário, desfazem-se em pó.  (Bourbeau, 2002)

Magnésio e psoríase

Padre Beno Schor confirma os resultados com o uso do magnésio no tratamento da psoríase, afirmando: “em 1993, descobri a cura da psoríase, que escama a pele e é incurável desde a Antiguidade. Já no desespero, tive uma luz: O magnésio é o construtor da célula. Mantive então húmida com magnésio concentrado a pele afetada e nova pele nasceu. Somente isso!”.

Segundo Dr. Mark Sircus, o magnésio é indicado no tratamento da psoríase.  O Professor Pierre Delbet, M.D. descobriu que o magnésio era benéfico para uma ampla gama de doenças. Estes incluíram doenças e problemas na pele,  tais como a psoríase. Segundo ele, o magnésio é um poderoso imuno-estimulante (capaz de aumentar a taxa de fagocitose até 300%), desinfectante, reduz a inflamação e possui grande efeito sobre a atividade leucócital e fagocitose, sendo perfeito para o tratamento de feridas externas.

Como usar o magnésio em caso de psoríase?

O magnésio é um elemento essencial ao bem estar do organismo e deve ser reposto diariamente. No caso da psoríase, além de ser tomado segundo as indicações do seguinte artigo https://antoniofernandes.solucaoperfeita.com/magnesio-sal-da-vida/, pode aplicar-se externamente, na zona afetada, uma solução diluída de magnésio.

Esta solução deve ser preparada na razão de uma parte de magnésio (já diluído em água) para outra parte igual de água mineral.

Do livro Magnésio, o Sal da Vida

 

Nota: A informação contida nesta página, não substitui a opinião de um técnico de saúde. Para um acompanhamento mais personalizado contacte as Terapias Online ou Há sempre uma solução perfeita na Casa Escola António Shiva

 

Pack de 5 Cloreto de Magnésio P.A. 100g + Oferta de 100g

Funções bioquímicas e fisiológicas do magnésio – parte 2

Funções fisiológicas do magnésio

Na actividade e transmissão neuromuscular, o Mg2+ actua sinergicamente ou, em alguns casos, antagonisticamente com o cálcio. As suas propriedades de antagonismo cálcio, aplicadas ao nível das fibras musculares arteriais, dão-lhe um papel protetor nas cardiopatias isquémicas, problemas de ritmo e hipertensão arterial. Durante a contracção muscular compete com o cálcio nos sítios da troponina, parvalbumina, miosina e calmodulina.

Mg2+ tem acção na libertação de histamina dos mastócitos, na libertação de acetilcolina dos nervos terminais colinérgicos e tem um poder sedativo. Tem a particularidade de reduzir as concentrações de dopamina, adrenalina e noradrenalina o que o torna num mineral anti-stress.

O mineral tem um papel crucial na modulação da resposta das células B à glicose por interferência com a permeabilidade ao potássio. É importante na síntese da insulina, sendo considerado por alguns autores como um 2º mensageiro da acção da insulina.

Paolisso e col., acerca de um estudo realizado em 8 diabéticos idosos não insulinodependentes com obesidade moderada, concluíram que a administração de magnésio pode ser um adjuvante útil aos agentes hipoglicémicos clássicos, no tratamento dos diabéticos não insulinodependentes, por aumentar a secreção de insulina, contribuindo assim para a melhoria do controlo metabólico.

Na síntese da paratormona intervém o Mg2+. Este, é ainda necessário ao funcionamento da 11-hidroxilase, enzima interveniente na síntese do cortisol e da aldosterona.

Ao nível do aparelho cardiovascular actua como protector, deprimindo a condutibilidade e irritabilidade do miocárdio.

No sistema de homeostase sanguínea actua como factor antitrombótico . o Mg2+ opõe-se assim a agregação plaquetária por um mecanismo competitivo antagonista com o cálcio, o que foi observado “in vitro”. Este ião atrasa a formação de fibrina por uma acção ao nível da protrombina, factores V, VII e, sobretudo, factores IX e XII.

O Mg2+ serve como catalizador no metabolismo do fósforo e acido pirúvico.

A administração simultânea de Mg2+ e flúor reduz o flúor disponível para o crescimento de ratos, o que pode também explicar o melhoramento da fluorose nos porquinhos-da-Índia.

O Mg2+ é também importante nos seguintes sistemas: sistema da anidrase carbónica e génese do amoníaco; Sistema nervoso central, pelo seu efeito anestésico e narcótico; participação nos sistemas de defesa do organismo, por estimulação da síntese de anticorpos e Interferon; sistema ósseo, pela sua acção na calcificação, inibindo a precipitação do fosfato de cálcio.

Fahin e col. estudaram o efeito de variações do Mg2+ e Mn da dieta, na razão de crescimento e metabolismo de ratos. Concluíram que, restrições de Mg2+ e/ou Mn na dieta reduzem significativamente a razão de crescimento dos ratos e que o Mn pode ser substituído pelo Mg2+, em caso de dietas deficientes naquele mineral.

Durlach e col., a partir do estudo do âmnio humano isolado, demonstraram haver um antagonismo entre o Mg2+ e o chumbo por libertação dos sítios da membrana saturados pelo metal tóxico. Esta propriedade é importante porque, durante a gravidez o magnésio, quer alimentar, quer hídrico pode proteger o âmnio contra os efeitos nocivos do metal cancerígeno e assegurar o trânsito normal dos elementos nutritivos para o feto. Bara, para além destes efeitos, refere ainda que o Mg2+ e a taurina actuam como activadores da transferência iónica, podendo haver um efeito compensador da taurina na ausência de Mg2+ e vice-versa.

Fonte: Baptista, A. M. (1991). MAGNÉSIO: seu papel biológico, nutrição e patologia. pp. 11-14.

Pin It on Pinterest

Este site utiliza cookies para melhorar a sua experiência. Ao continuar a navegar no nosso site consente a utilização dos mesmos. Saiba mais sobre os cookies aqui

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close