Doenças neurológicas e Óleo de Krill

Doenças neurológicas e Óleo de Krill

Doenças neurológicas e Óleo de Krill

 

Vários estudos demonstraram os benefícios do uso do óleo de krill em doenças neurológicas. O óleo de krill apresenta-se como a melhor forma de suplementar os ómegas, uma vez que contêm elevados níveis de Ómega 3, 6 e 9. Dois tipos de ômega-3 são encontrados no óleo de krill – DHA e EPA. Mais facilmente absorvido pelo organismo devido à sua composição molecular única, é rico em fosfolipídeos. Sendo os fosfolípidos as estruturas primárias das membranas celulares, têm um papel importante na regulação da entrada e saída de composto das células.

Os seus efeitos antioxidantes mais poderosos são produzidos pela astaxantina. Atravessa, facilmente, a barreira hemato-encefálica, ajudando a proteger e estimular melhor o cérebro, com mais memória e clareza de pensamento, revitaliza o cérebro e promove a memória, prevenindo o declínio cognitivo e a demência (alzheimer).

Cerca de 50 a 60% do cérebro de um adulto é composto por lípidos. Os ácidos gordos insaturados, incluindo o ómega 3, constituem aproximadamente 35% do conteúdo lipídico do cérebro. Juntamente com o ómega 6 o DHA é o constituinte maioritário das membranas neuronais.

O ómega 3 têm funções muito importantes na manutenção da integridade e fluidez das membranas celulares neuronais, da bainha de mielina e das terminações nervosas, garantindo a neuroplasticidade do Sistema Nervoso Central. A deficiência em ómega 3, nomeadamente em DHA, está associada a diversos défices neurofisiológicos, incluindo declínio cognitivo, diminuição da acuidade visual e diminuição da função do cerebelo.

Composto por Elisabete Milheiro

O óleo de krill e a saúde do intestino

O óleo de krill e a saúde do intestino

 

O óleo de krill e a saúde do intestino

O óleo de krill e a doença inflamatória do intestino

 

O óleo de krill é rico em fosfolipídios, astaxantina e ácidos graxos ómega-3. É uma rica fonte de proteínas de alta qualidade, bem como de EPA e DHA. Numerosos estudos clínicos e pré-clínicos demonstraram que o óleo de krill é seguro e bem tolerado, com nenhum relato de efeitos adversos. Vários dados demonstraram os benefícios de saúde de óleo de krill contra danos oxidativos e inflamatórios.

Um estudo efetuado por Manuela Costanza, et. al.  Publicado na Revista Digestive and lever Disease teve como objetivo avaliar a capacidade de KO para regular a inflamação intestinal, induzindo a restituição funcional e morfológica epitelial, melhorando a sobrevivência das células e reduzindo a aderência e invasão de bactérias Escherichia coli aderente-invasiva (AIEC)  A AIEC é caracterizada por acrescida adesão e invasão epitelial, sobrevivência dentro de macrófagos, e formação de biofilmes. Por essas razões, é pensado que essa espécie desempenhe um papel na patogénese da doença inflamatória do intestino.

O estudo mostrou que o óleo de krill reduziu os níveis de inflamação intestinal, melhorando a integridade da barreira epitelial, aumentando a sobrevivência das células, e reduzindo a patogenicidade da Escherichia coli aderente-invasiva.

O óleo de krill restaurou as condições iniciais, melhorou a cicatrização de feridas, e reduziu a adesão/invasão bacteriana em células epiteliais e sobrevivência no interior dos macrófagos; além de reduzir a expressão do mRNA induzida por LF82 de citocinas pró-inflamatórias.

Segundo os autores “o óleo de krill melhora a integridade da barreira intestinal e a restituição epitelial durante a inflamação, e controla a adesão e invasão bacteriana às células epiteliais. Assim, o óleo de krill pode representar uma ferramenta inovadora para reduzir a inflamação intestinal.”

Fonte: http://essentia.com.br/wp-content/uploads/2017/08/material_krill_43a54.pdf

Óleo de Krill

Benefícios do óleo de krill no sistema respiratório

Benefícios do óleo de krill no sistema respiratório

Benefícios do óleo de krill no sistema respiratório

 

Quando se trata de saúde, poucos sistemas corporais têm uma ligação tão forte em manter a homeostase e o equilíbrio no corpo do que a relação entre o sistema cardiovascular e o sistema respiratório. O sistema cardiovascular é inteiramente dependente do sistema respiratório para o oxigênio, e o sistema cardiovascular é na verdade uma extensão do sistema respiratório por meio das artérias e veias pulmonares. Como resultado, o uso de óleo de krill pode beneficiar o sistema respiratório. Como os omega-3 afetam a saúde celular?

 

O que são alvéolos?

Os alvéolos são aglomerados em forma de cachos de uva no tecido pulmonar que são responsáveis pelo aumento do volume superficial dos pulmões. Os capilares são pequenos vasos sanguíneos que envolvem os alvéolos e o oxigênio difunde dos alvéolos pelos capilares até aos glóbulos vermelhos. Este é o estágio inicial da respiração. Embora esses capilares liberem produtos residuais e facilitem a transferência de oxigênio para os glóbulos vermelhos, eles também trazem plasma rico em nutrientes para os alvéolos. Como resultado, o omega-3 na corrente sanguínea também faz o seu caminho até ao tecido pulmonar.

 

Como os Omega-3 afetam a saúde celular nos alvéolos?

As membranas celulares são constituídas por uma bicamada fosfolipídica. Fosfolipídeos é um termo que significa que a membrana celular contém muitos tipos de lipídios, e a construção pode variar ligeiramente de célula para célula. No entanto, algumas gorduras, como gorduras saturadas, podem realmente resultar numa membrana celular mais fraca. É aqui que os ômega-3 entram em jogo. Os omega-3 são classificados como ácidos graxos poliinsaturados (PUFAs), o que significa que eles não têm um átomo de hidrogênio ligado a todos os lugares possíveis na cadeia do ácido.

Como resultado, a cadeia é ligeiramente polarizada, como explica Science 2.0. Quando estes ácidos se alinham adequadamente numa membrana celular, ela torna-se mais resistente a rupturas e a outros problemas. Essencialmente, PUFAs podem ajudar a impedir a transmissão de materiais inadequados de fora para dentro de uma célula. Nos alvéolos, o aumento da durabilidade das membranas celulares pode realmente ajudar a evitar a ruptura desses bolsos tipo uva, o que aumenta ainda mais a eficiência do sistema respiratório e cardiovascular.

 

O Desenvolvimento do Sistema Respiratório no Utero

Num estudo de 2014, A suplementação de ácidos graxos ômega-3 durante a gravidez e sistemas respiratórios em crianças, os resultados demonstraram que os omega-3 ajudaram a melhorar o desenvolvimento do sistema respiratório, enquanto no útero. No estudo, 1.094 mulheres foram divididas em dois grupos, um grupo com placebo e outro com um suplemento de DHA. Aquelas que receberam o suplemento pareciam produzir menos expectoração e sofrimento respiratório durante a gravidez. Além disso, as crianças que estavam no útero durante o estudo tiveram menos sintomas de dificuldade respiratória após o nascimento. Este estudo ajuda a reforçar a ligação entre o DHA, um tipo de ômega-3 contido no óleo de krill, e o desenvolvimento de um sistema respiratório saudável.

Dois tipos de ômega-3 que são encontrados no óleo de krill – DHA e EPA – parecem ser os mais significativos para melhorar a função respiratória. Desde, ajudar os alvéolos a conservar as suas membranas celulares no sistema respiratório, até, melhorar o desenvolvimento do sistema respiratório no útero, os omega-3 possuem muitos mais benefícios do que apenas melhorar a saúde do coração.

Tradução por: Elisabete Milheiro

Fonte: http://ativistadanovaera.ning.com/profiles/blogs/beneficios-do-oleo-de-krill-no-sistema-respiratorio

Óleo de Krill

Estudos acerca do Óleo de Krill

 krill

Estudos acerca do Óleo de Krill

O óleo de Krill é um suplemento fonte de antioxidantes poderosos, ácidos gordos ómega-3 e fosfolípidos derivados dos pequenos crustáceos apanhados em grande quantidade nas águas a sul do antárctico. Os defensores do óleo de Krill, afirmam que este é essencialmente uma forma superior de ómega-3. O Krill contém um antioxidante de cor vermelha único, chamado astanxantina (astaxanthin), e são também ricos em fosfolípidos, que ajudam a emulsionar os ácidos gordos e a melhorar a sua absorção e retenção.

 krill

Estudos sobre Obesidade

Um estudo apresentado no “Journal of Nutrition” acerca de uma pesquisa conduzida num grupo de ratos obesos descobriu que o óleo de Krill (Oprovocou uma redução de 42% da gordura (triglicerídeos) acumulação no coração dos ratos do estudo. O óleo de peixe apenas levou a uma declinação marginal dos lípidos no coração de 2%.

Quando os autores do estudo examinaram o fígado desses animais, descobriram uma redução de 60% da gordura no fígado, em oposição a 38% no fígado dos animais alimentados a óleo de peixe. A normalização do conteúdo de gordura do no coração e fígado, indica potenciais benefícios para o sistema cardiovascular e uma melhoria na sensibilidade á insulina, que pode ser comprometida em casos de fígado gordo. Para além disso, os ratos do grupo do óleo de Krill mostraram mudanças positivas associadas a uma redução da “resposta inflamatória”. (1,2)

Estudos sobre Cancro

Um estudo datado de 2008, demonstrou benefícios anti-cancro e cardiovasculares da suplementação de óleo de Krill. Nesses testes, os ratos que foram alimentados com óleo de Krill mostraram perda de peso e uma descida dos níveis de LDL “o mau” colesterol, colesterol total e triglicerídeos.

Os cientistas também testaram o óleo de Krill num modelo “in-vitro” de cancro do cólon. Os cientistas concluíram que, “O tratamento das células de cancro do cólon com o óleo de Krill também resultou numa inibição dependente do tempo do crescimento da célula”. (3)

Estudos sobre doença cardíaca

Em 2007, um artigo foi publicado no “Journal of the American College of Nutrition”. 90 participantes com doença cardíaca e/ou artrites (osteo ou reumatóide) com níveis elevados de CRP (C-reactive protein) receberam óleo de Krill ou placebo por um período de 30 dias. O CRP é uma medida de inflamação no organismo. A partir do 7º dia de tratamento com óleo de Krill (300 mg dia), houve uma diminuição de 19% dos níveis de CRP. O grupo do placebo exibiu um aumento de 16% do CRP. Pelo dia 30 do tratamento, houve uma redução de 31% do CRP no grupo do óleo de Krill e 32% de aumento no grupo do placebo. Nos pacientes artríticos, houve uma melhoria significativa na dor e nível de rigidez e uma mudança para uma “redução da incapacidade funcional”. (4)

Em 2003 um estudo realizado com 70 mulheres com TPM e dismenorréia (menstruação dolorosa), descobriram que as mulheres que tomaram óleo de Krill por um período total de 90 dias demonstraram uma redução do desconforto, dor e sintomas emocionais relacionados com a TPM. Esta experiência comparou doses semelhantes de óleo de Krill vs. Óleo de peixe – 2 gramas por dia durante os primeiros 30 dias e depois 2 gramas por dia por 8 dias antes da menstruação e durante os primeiros 2 dias do período menstrual.(5)

Um estudo realizado em humanos em 2004, é talvez a prova mais evidente que suporta a ligação entre o óleo de Krill e a saúde cardiovascular.Acredita-se que a inflamação crónica é um importante factor contributivo para o desenvolvimento de muitos tipos de cancro e doenças cardiovasculares.

Esse estudo produziu uma profunda mudança positiva nos factores de risco cardiovascular, num grupo de 120 voluntários. A dose inicial de 500 mg por dia reduziu os níveis de açúcar do sangue, LDL, Colesterol total e triglicerídeos, e subiu os níveis de colesterol benéfico HDL dos participantes. Os homens e mulheres que receberam óleo de peixe não tiveram resultados próximos disso sequer. (6)

Composto por:

Elisabete Milheiro

Fonte: http://www.musculacao.net/tudo-acerca-do-oleo-de-krill/

 

ÓMEGA 3 DE ELEIÇÃO – ÓLEO DE KRILL

 

ÓMEGA 3 DE ELEIÇÃO – ÓLEO DE KRILL

Por: Dr. António Marcos

ALVO TERAPÊUTICO – Peso, dor, memória, coração, visão, energia, tensão arterial, colesterol, sexo, sono, imunidade, fígado, síndrome pré-menstrual, disposição…uma verdadeira e eficaz panaceia.

RESUMO – Novo tipo de fonte de ómega 3, prova ser 47 vezes melhor para a sua saúde do que a suplementação com óleo de peixe.

R.Bunea, MD, Farrah K., MD e Deutsch L., MD, publicaram em 2004, um extenso artigo na Revista Alter. Med.,9(4):420-428, em que concluem que “os resultados desta investigação demonstram que uma dose diária de 1-3 g de óleo de Krill são significativamente mais efeicazes do que 3g de óleo de peixe rico em EPA/DHA, no controlo da hiperlipídemia. A dose de manutenção de 500 mg de óleo de krill é extremamente efetiva para uma regulação a longo prazo dos lípidos sanguíneos. A composição molecular única do óleo de krill, que é rica em fosfolípideos, ómega 3 e diversos antioxidantes, ultrapassa o perfil dos óleos de peixe e oferece uma solução mais otimizada de redução do risco de doença cardiovascular”.

O Krill são pequenos crustáceos (camarões), encontrados no Oceano Austral e do Oceano Antártico que fazem parte do plâncton marinho, cujo óleo é rico em fosfolipídios (entre outras coisas, o alimento favorito do cérebro). A extração do óleo de Krill é uma tecnologia relativamente nova.

Cada vez se avolumam mais os resultados da investigação apontando o óleo de krill como opção de excelência no que respeita à suplementação de ómega 3 e antioxidantes. As principais conclusões apontadas nos estudos são:

O Colesterol bom subiu 10 vezes mais do que com óleo de peixe regular. O Colesterol mau desceu 16 vezes mais do que com óleo de peixe regular;

 

 

A dor foi reduzida 3 vezes mais em apenas sete dias do que com óleo de peixe regular.

Acerca do óleo de krill, a longa literatura clínica, hoje disponível, acentua que:

MELHORA A SAÚDE DO CORAÇÃO por reduzir a inflamação;

Previne coágulos no sangue e a pressão arterial elevada causadores de ataques cardíacos e derrames;

Reduz o risco de morte devido a problemas cardíacos;

Diminui a dor comum;

 


INCREMENTA A PERDA DE PESO DE FORMA MAIS FÁCIL E MAIS RÁPIDA por melhorar o metabolismo da glicose e estabilizar os níveis de açúcar no sangue;

Melhora o humor e proporciona o alívio dos sintomas de Síndrome Pré-Menstrual nas mulheres;

Protege contra a artrite reumatoide;

INIBE O DESENVOLVIMENTO DO CANCRO DA MAMA E DA PELE;

REVITALIZA O CÉREBRO E PROMOVE A MEMÓRIA, PREVENINDO O DECLÍNIO COGNITIVO E A DEMÊNCIA (Alzheimer);

ÓLEO DE KRILL versus ÓLEO DE PEIXE

 

Comecemos por “varrer” com alguns dos

MITOS ACERCA DO ÓLEO DE PEIXE

1º Mito – O óleo de peixe é rico em antioxidantes.

Na verdade, o nível de antioxidantes presentes nos suplementos de óleo de peixe, habitualmente presentes no mercado, é extremamente reduzido, representando apenas 3% dos anti-oxidantes presentes no óleo de Krill ou porventura 0,12% quando reforçado com astaxantina adicional.

2º Mito – O óleo de peixe é um suplemento “clean”.

Grande parte do óleo de peixe presente no mercado, que não apresenta certificado de garantia, provém de peixes de aquicultura e de águas poluídas e contém, frequentemente, elevados níveis de metais pesados, pesticidas, herbicidas e outros poluentes.

3º Mito – O óleo de peixe é facilmente digerido e absorvidos os seus nutrientes.

São muitas as pessoas que sentem dificuldade em digerir o óleo de peixe, sentindo peso no estômago, sabor desagradável na boca, já para não falar da incapacidade para dele conseguirem extrair os nutrientes mais valiosos, os ácidos gordos ómega 3 DHA e EPA. A maior parte das pessoas perde, na digestão, cerca de 80% do DHA e EPA e, alguns, a sua totalidade. Isto porque o corpo não consegue romper, eficazmente, os triglicerídeos para obtê-los. O processo de obtenção dos ómega 3 a partir do óleo de peixe é um processo corporal complexo que, geralmente, está muito comprometido na generalidade das pessoas. Com efeito, para que tal absorção se verifique é necessário que, no momento de passagem do óleo de peixe pelo intestino delgado, esteja presente, em simultâneo, bílis segregada pela vesícula biliar e lipase segregada pelo pâncreas. Ora muitas pessoas têm deficiente funcionamento biliar e na própria produção de lipase (sintoma típico é a perduração do sabor a peixe na boca), pelo que não irão conseguir obter os indispensáveis ómega 3 a partir do óleo de peixe.

O ÓLEO DE KRILL , pode assim ser uma melhoria revolucionária para a sua saúde.

O ÓLEO DE KRILL é muito melhor para sua saúde do que óleo de peixe regular pelas seguintes razões:

1) A potência em antioxidante é 297 vezes maior do que a vitamina A ou E, e 47 vezes maior do que o óleo de peixe regular! O óleo de peixe regular tem um teor muito baixo em antioxidantes. Esta é a medida pelo valor padrão ORAC.

2) Os seus efeitos antioxidantes mais poderosos são produzidos pela astaxantina, o que o óleo de peixe regular não contém. Atravessa, facilmente, a barreira hemato-encefálica, ajudando a proteger e estimular melhor o cérebro, com mais memória e clareza de pensamento.

3) Isto é importante: o óleo de krill contém fosfolipídios que formam uma barreira microscópica que ajuda as células a filtrarem as toxinas e os danos dos radicais livres que podem resultar em doenças graves. O óleo de peixe regular não contém.

4) Possui uma absorção de 500% maior no seu corpo do que o óleo de peixe regular, de acordo com o National Health Institute, dos EUA.

5) Não se sente NENHUM sabor a peixe ou problemas de digestão, “arrotos de peixe”, ou refluxo ácido que ocorre frequentemente com óleo de peixe regular.

Convém sublinhar que na generalidade dos óleos de peixe se encontra uma grande contaminação de metais pesados e toxinas, tais como o mercúrio, o chumbo, o arsênico, o estrôncio radioativo, PCBs e outros poluentes provenientes do lançamento de resíduos industriais na água.

Já o krill é constituído por crustáceos minúsculos que fazem parte do plancton das águas geladas e pristinas da antártida, situando-se na parte inferior da cadeia alimentar e completamente livre de toxinas insalubres e poluição comumente encontrados no óleo de peixe regular.

“Regressar à Juventude” e “Segunda Juventude”

O ÓLEO DE KRILL ajuda a rejuvenescer as células, glândulas e órgãos do seu corpo.

O ÓLEO DE KRILL contém fosfolipídios que criam uma barreira microscópica que ajuda as células a filtrar as toxinas que podem causar doenças graves. Também protegem contra o stresse oxidativo causado pelos prejudiciais radicais livres evitando que as moléculas não se rompam e as paredes celulares não fiquem enfraquecidas.

O ÓLEO DE KRILL demonstrou reduzir a síndrome metabólica, eliminar a faixa abdominal, bem como a gordura que se deposita ao redor do fígado e do coração, de forma 21 vezes mais eficaz do que o óleo de peixe. Ele demonstrou conseguir, ainda, reduzir os níveis de açúcar e da homocisteína, sendo que esta última é um indicador de elevado risco cardiovascular.

O ÓLEO DE KRILL demonstrou, ainda, reduzir significativamente os sintomas físicos e emocionais da Síndrome Pré-Menstrual e “é muito mais eficaz do que o óleo de peixe regular”.

Por tudo isso o ÓLEO DE KRILL recebe a minha chancela de SUPLEMENTO PREMIUM a consumir.

Dr. António Marcos

Professor Universitário. Mestre em Medicina Natural e Especialista em Dietética e Nutrição pela Faculdade de Medicina da USC. Membro do Conselho Científico de várias revistas científicas. Diretor do CTEC e Presidente do Conselho Científico da Universidade.

Fonte: http://www.drmarcos.net/omega-3-de-eleicao-oleo-de-krill.html

Óleo de Krill

Os Ómegas e a Saúde do nosso Organismo

OS ÓMEGAS E O ORGANISMO

 Os Ómegas e a Saúde do nosso Organismo

“Dr. Dauber John da Dinamarca percebeu que os esquimós da Gronelândia não tinham enfarto, não tinham acidente vascular cerebral, não tinham cancro. Durante as suas pesquisas, ele descobriu que eles comiam em torno de 14g por dia de ómega 3.”

Lair Ribeiro

 

Os ómegas são um tipo de gordura essencial para o bom funcionamento de diversos órgãos. Como o organismo não é capaz de os produzir, eles devem ser fornecidos na nossa alimentação.

 

Quais as funções dos Ómegas no nosso organismo?

Funções do ómega 3

O ómega 3 é essencial para o bom funcionamento do cérebro e do sistema cardiovascular.

Além disso, ele apresenta outros benefícios, nomeadamente:

  • na redução do colesterol;
  • ameniza os efeitos do stress;
  • tem ação anti-inflamatória;
  • estimula a memória;
  • mantém o cérebro ativo – concentração, coordenação, reação ágil;
  • previne o entupimento dos vasos sanguíneos;
  • previne distúrbios neurológicos e visuais.

 

Funções do ómega 6

O ómega 6 tem um papel fundamental:

  • na saúde da pele;
  • na saúde do cabelo, fortalecendo, reestruturando e prevenindo a quebra;
  • ajuda a manter a saúde dos ossos;
  • previne a osteoporose;
  • facilita a absorção do cálcio;

 

Funções do ómega 9

O ómega 9 é essencial para a síntese das Hormonas.

Além disso, ele apresenta outros benefícios, nomeadamente:

  • ajuda a perder as gorduras da barriga

 

no caso das mulheres:

  • alivia os sintomas da STPM;
  • alivia os sintomas da menopausa;
  • ameniza a irritabilidade, ondas de calor, suor e ansiedade.

 

O que acontece quando não tenho Ómegas suficientes no meu organismo?

A deficiência em ómegas no nosso organismo pode provocar: dificuldade de aprendizagem, retardo no crescimento, fraqueza, problemas visuais, pele seca, edema, inflamações crónicas, descoordenação motora, dificuldade de andar, dores nas pernas, queda de cabelo, cabelos secos e quebradiços, excessiva perda de água acompanhada de sede frequente, problemas cutâneos como pele seca com descamação, manchas, retardo no crescimento, fadiga, formigamento, problemas de visão, problemas cardiovasculares como dores no peito, problemas de tiroide, excesso de peso, deformação do corpo, alterações a nível do ciclo menstrual, ansiedade, depressão, etc.

 

Como devo suplementar os Ómegas?

“O Óleo de Krill é um novo tipo de fonte de ómega 3, prova ser 47 vezes melhor para a sua saúde do que a suplementação com óleo de peixe”.

Dr. António Marcos (Professor Universitário. Mestre em Medicina Natural e Especialista em Dietética e Nutrição pela Faculdade de Medicina da USC. Membro do Conselho Científico de várias revistas científicas. Diretor do CTEC e Presidente do Conselho Científico da Universidade.)

O óleo de krill apresenta-se como a melhor forma de suplementar os ómegas, uma vez que contêm elevados níveis de Ómega 3, 6 e 9. Mais facilmente absorvido pelo organismo devido à sua composição molecular única, é rico em fosfolipídeos e um poderoso antioxidante – a astanxantina. O Ómega 3 contido no óleo de Krill chega a ser 48 vezes mais potente do que o Ómega 3 que se encontra no óleo de peixe normal.

 

Um estudo efectuado por R.Bunea MD, Farrah k. MD e Deutsch L. MD, em artigo na Revista ALTER. MED, afirma que ” uma dose diária de 1-3g de óleo de krill são significativamente mais eficazes do que 3g de óleo de peixe rico em EPA/DHA, no controlo da hiperlipidemia. A composição molecular única do óleo de krill, que é rica em fosfolipídeos, ómega 3 e diversos antioxidantes, ultrapassa o perfil dos óleos de peixe e oferece uma solução mais otimizada de redução do risco de doença cardiovascular”.

Composto por:

Elisabete Milheiro

Nota:

A informação contida nesta página, não substitui a opinião de um técnico de saúde. Para um acompanhamento mais personalizado contacte as Terapias Online, ou, Questão ao Naturopata, ou, A Saúde Quântica Responde, ou, “A Saúde Integral tem a Solução”.

Óleo de Krill

Pin It on Pinterest

Este site utiliza cookies para melhorar a sua experiência. Ao continuar a navegar no nosso site consente a utilização dos mesmos. Saiba mais sobre os cookies aqui

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close