O magnésio é principalmente encontrado na célula, agindo como um contraíon para o energeticamente rico ATP e para os ácidos nucleares. O magnésio é cofator em mais de 300 sistemas enzimáticos que regulam diversas reações bioquímicas no corpo, incluindo a síntese de proteínas, a transmissão muscular e nervosa, a transdução de sinal, o controlo da glucose no sangue e a regulação da pressão arterial.

Algumas enzimas dependentes de magnésio são a Na+/K+-ATPase, hexoquinase, creatinofosfoquinase, proteína quinase e ciclases. O magnésio é também necessário para as funções estruturais das proteínas, dos ácidos nucleicos e da mitocôndria. É necessário para a síntese de DNA e RNA e para produção aeróbica e anaeróbica de energia – fosforilação oxidativa e glicólise – seja indiretamente como parte do complexo magnésio-ATP ou diretamente como ativador enzimático.

O magnésio desempenha também um papel fundamental no transporte ativo de ions de cálcio e potássio através das membranas celulares, um processo que é importante na condução do impulso nervoso, na contração muscular, na vasoconstrição, e no ritmo cardíaco normal.

Como um antagonista natural do cálcio, acredita-se que o bloqueio dos canais receptores de N-metil-d-aspartato (NMDA) pelo magnésio seja de grande importância fisiológica. Além disso, o magnésio contribui para o desenvolvimento estrutural dos ossos e é necessário para a síntese da glutationa, que é dependente de trifosfato de adenosina, sendo a glutationa um dos mais importantes antioxidantes intra-celulares.

(…)

O magnésio é, para além do sódio, potássio e o cálcio, um eletrólito importante para o metabolismo humano. Cerca de 99% do total de magnésio no corpo está localizado nos ossos, nos músculos e tecido mole não muscular. Aproximadamente 50%-60% do magnésio reside como substituto superficial da hidroxiapatita mineral componente dos ossos. A maioria do magnésio remanescente está contido no músculo esquelético e nos tecidos moles. O conteúdo de magnésio dos ossos diminui com a idade, e o magnésio que é armazenado desta maneira não é completamente biodisponível durante a privação de magnésio.

(…)

Traduzido de: Gröber, U., Schmidt, J., & Kisters, K. (23 de Setembro de 2015). Magnesium in Prevention and Therapy.

Pin It on Pinterest

Share This