Vitamina B-17 (Amigdalina, Nitrilosidos)

Vitamina B-17 (Amigdalina, Nitrilosidos)

A amigdalina é uma substância natural produzida a partir do caroço de damasco que tem uma função especifica na prevenção e no tratamento de cancro. Foi já legalizada em vários estados dos E.U.A.; contudo, muitos médicos rejeitam o seu uso com base na possibilidade de poder ser venenosa devido ao seu teor de cianeto. É produzida e legalmente usada em mais de 17 países, incluindo e incluindo o México. a Alemanha, a Itália, a Bélgica e as Filipinas.

O cianeto natural encontra-se encerrado numa molécula de açúcar. Encontra-se em mais de 200 alimentos e cereais não refinados conhecidos. É possível encontrar uma concentração da maior parte dos frutos, incluindo o damasco, a maçã, a cereja, o pêssego, a ameixa e o pêssego careca.

De acordo com aqueles que efetuaram experiências coma amigdalina, esta ataca apenas as células cancerosas. Quando a amigdalina é aquecida e absorvida pelas células normais, uma enzima chamada rodanese desintoxica o cianeto, que é depois descarregado través da urina. Visto que as células cancerosas são deficientes em rodanese e se encontram rodeadas por outra enzima, a betaglucosidade, que liberta o cianeto da amigdalina no local atingido, é de acreditar que esta última ataque apenas às áreas malignas.

Uma deficiência prolongada de vitamina B-17 pode conduzir a uma resistência diminuída a problemas malignos. Podem tomar-se dosagens de 0.25 até 1.0 grama às refeições, mas não mais de 1gr de cada vez. Usaram-se dosagens de 20gr diárias de administração combinada oral e intravenosa em pacientes cujos níveis de desintoxicação e eliminação de amigdalina eram adequados.

In “Manual Completo de Medicina Natural” – Marcia Stark

Vitamina B-15 (ácido pangâmico)

Vitamina B-15 (ácido pangâmico)

O ácido pangâmico é um nutriente hidrossolúvel que foi originalmente isolado em caroços de damasco e posteriormente obtido em forma cristalina a partir de farelo de arroz, arroz polido, cereais integrais, levedura de cerveja e fígado de cavalo.

Ele promove os processos de oxidação e a respiração celular e estimula a oxidação da glucose. A sua função primordial é a capacidade que tem de combater a hipoxia, o insuficiente fornecimento de oxigénio aos tecidos vivos (especialmente ao músculo cardíaco e outros músculos).

É essencial na promoção do metabolismo das proteínas, também regula o metabolismo das gorduras e do açúcar, sendo muito útil, portanto, em casos de arteriosclerose e diabetes.

É útil no tratamento de elevados níveis de colesterol no sangue e de problemas circulatórios e consegue proteger contra o envenenamento com monóxido de carbono.

Uma deficiência de vitamina B-15 pode causar uma fraca oxigenação das células, doenças cardíacas e perturbações nervosas e glandulares.

As fontes alimentares incluem o caroço de damasco, as oleaginosas e sementes e os cereais integrais.

In “Manual Completo de Medicina Natural” – Marcia Stark

Vitamina B-13 (ácido orótico)

Vitamina B-13 (ácido orótico)

A vitamina B-13 ainda não se encontra disponível nos Estados Unidos, mas é sintetizada na Europa e usada para tratar esclerose múltipla.

Ela é importante para a restauração de células e é utilizada pelo organismo no metabolismo do ácido fólico e da vitamina B-12. Os sintomas de deficiência não são conhecidos, mas acredita-se que uma deficiência pode levar a desordens do fígado, à degeneração celular e ao envelhecimento prematuro. O ácido orótico encontra-se no soro de leite e especialmente nos produtos à base de leite fermentado.

In “Manual Completo de Medicina Natural” – Marcia Stark

Inositol

Inositol

O inositol está estritamente associado a colina e a biotina.

É eficaz no auxílio à produção de lecitina pelo organismo. As gorduras são removidas do fígado para as células com a ajuda da lecitina; o inositol facilita então o metabolismo das gorduras e a redução de colesterol no sangue. 

Previne o endurecimento das artérias e protege o fígado, os rins e o coração. Previne ainda o enfraquecimento capilar e a calvície e revelou-se muito útil na nutrição das células do cérebro e no tratamento da esquizofrenia.

A cafeina pode criar carências de inositol no organismo. Uma deficiência de inositol pode causar obstipação, eczema e problemas nos olhos. Contribui também para a perda de cabelo e para o aumento do nível de colesterol no sangue, que pode resultar em doenças arteriais e cardíacas.

O inositol encontra-se na lecitina líquida e granular, no fígado, no melaço, na gema de ovo, nos vegetais de folhas verdes e nos cereais integrais.

In “Manual Completo de Medicina Natural” – Marcia Stark

Ácido pantoténico

Ácido pantoténico

O ácido pantoténico é outra das vitaminas B que é sintetizado no organismo pelas bactérias existentes nos intestinos.

Existe uma correlação estreita entre o ácido pantoténico e o funcionamento do córtex ad-renal.

O ácido pantoténico estimula as glândulas supra-renais e aumenta a produção de cortisona e outras hormonas adrenais. O ácido pantoténico ajuda portanto a suportar situações de stress.

Quando o ácido pantoténico era eliminado da dieta em experiências, os indivíduos queixavam-se de cansaço, dificuldade em dormir e sensações de formigueiro nas mãos e nos pés.

Outros sintomas de deficiência de ácido pantoténico são o embranquecimento e a perda de cabelo, a depressão mental e uma tendência acrescida para o aparecimento de infeções e alergias. As deficiências podem também conduzir a um abaixamento de açúcar no sangue, quantidades insuficientes de HCL no estômago e problemas relacionados com os nervos motores.

Embora o ácido pantoténico se encontre na maioria dos alimentos, 50% é perdido no refinamento dos cereais integrais, e 33% ao cozinhar a carne. Tomar ácido pantoténico em forma de pastilha pode aumentar a necessidade de vitamina B-1 e outras vitaminas do complexo B, de modo que é preferível obtê-lo a partir de fontes alimentares.

Os alimentos ricos neste nutriente incluem o fígado e carne de órgãos, o melaço, os cereais integrais, a gema de ovo e os vegetais de folhas verdes.

In “Manual Completo de Medicina Natural” – Marcia Stark

APAB (ácido para-aminobenzóico)

APAB (ácido para-aminobenzóico)

Ácido para-aminobenzóico

O APAB estimula as bactérias intestinais, levando-as a produzir ácido fólico, que favorece a síntese de ácido pantoténico.

É uma vitamina com importância para a saúde da pele e no auxílio a problemas de ordem respiratória. Usado em unguentos, é mitigante em queimaduras e insulações.

É igualmente útil em casos de eczema, lúpus e mudanças na pele devidas a envelhecimento. O APAB é usado em combinação com ácido pantogénico, colina e ácido fólico no tratamento embranquecimento do cabelo com algum sucesso. É também usado no tratamento de doenças parasíticas, incluindo a Meningite das montanhas Rochosas.

Uma deficiência de APAB pode resultar do uso de sulfamidas que reduz a capacidade do APAB funcionar devidamente nos intestinos. Os sintomas incluem fadiga, irritabilidade, nervosismo, obstipação e outros problemas de ordem digestiva.

As fontes ricas em APAB incluem o fígado, o melaço, o iogurte e os alimentos de leite fermentado e os cereais integrais.

In “Manual Completo de Medicina Natural” – Marcia Stark

Pin It on Pinterest