Limpeza e eliminação

2ª parte

Leia a 1ª parte do artigo aqui: Limpeza e eliminação

O páncreas é um dos nossos órgãos mais importantes; está intimamente ligado ao metabolismo do açúcar no sangue e aos processos digestivos.
O suco pancreático contém enzimas digestivas e é alcalino na sua reacção, estabelecendo assim as condições ideais para o funcionamento das enzimas intestinais no intestino delgado. Mais ou menos no centro do pâncreas há um grupo de glândulas chamado «ilhas de Langerhans», que produzem insulina, a hormona responsável pela regulação do metabolismo de açúcar e outros hidratos de carbono. Quando o organismo está intoxicado e existe fermentação no cólon, estas glândulas ficam impossibilitadas de produzir a insulina necessária, causando uma tolerância de açúcar por esse mesmo organismo. Quando isto acontece, o volume de açúcar no sangue aumenta e é descarregado nos rins (processo conhecido como diabetes mellitus).
A funcionar juntamente com o pâncreas está o figado; este está implicado no metabolismo de proteínas e gorduras. O fígado gera bílis, que é armazenada na vesícula biliar, e ajuda a destruir as gorduras presentes no organismo. É também um agente de desintoxicação e um reservatório de sangue. Quando o cólon está intoxicado e contém material fermentado, as toxinas também se estabelecem no fígado. lsto enfraquece o sistema imunitário e o organismo pode desenvolver várias condições de alergia e estados de doença. Outra função do fígado é decompor a hemoglobina dos glóbulos vermelhos e armazenar cobre, ferro e outros sais minerais.

A congestão do cólon

A congestão do cólon também leva a que o sistema linfático fique sobrecarregado com material de excreção.
Quando as glândulas linfáticas se encontram no máximo da sua capacidade, aparecem muitas vezes caroços em várias áreas do corpo, como nos seios. Certos problemas da próstata e outras desordens do sistema reprodutor estão também relacionados com bloqueios no cólon.
Para ajudar à eliminação, há vários alimentos que deveriam ser incluÍdos numa dieta, também curtos jejuns, principalmente constituídos por sumos de vegetais, caldos e chás de ervas. O jejum prolongado, todavia, esgota a vitalidade. Mas, como há muitos indivíduos que têm problemas devido a baixas concentrações de açúcar no sangue, a abstinência, um ou dois dias antes da irrigação do cólon, é suficiente. Os sumos de fruta tendem a tornar o organismo mais ácido e aumentam a quantidade de açúcar; de modo que estes devem ser muito pouco usados – talvez um copo de sumo de ameixa ou de cereja de manhã. Quanto ao resto, os sumos de vegetais frescos, as sopas de batata e outros vegetais (que ajudam a alcalinizar o sistema) e os chás de ervas fornecem ao organismo as vitaminas e sais minerais de que necessita.
Os aiimentos mucilaginosos e as ervas desempenham um importante papel na lubrificação das paredes do cólon e como ajuda à eliminação. Os alimentos mucilaginosos importantes incluem as sementes de linho, de chia e de psyllium. Estas devem ser moídas e acrescentadas aos cereais do pequeno almoço, polvilhadas sobre saladas ou sopas, ou tomadas directamente dissolvidas em água ou em sumos. As ervas que são mucilaginosas  e especialmente benéficas para o cólon são o olmo e a consola.
A inclusão de alimentos fermentados numa dieta é também muito importante como auxiliar na eliminação e para promover o crescimento de bactérias intestinais saudáveis. O iogurte e o kefir são alguns desses alimentos.
Se alguém for particularmente sensivel aos produtos de leite de vaca, poderá comprar iogurte de leite de cabra ou fazê-lo com leite fresco ou em pó. Os iogurtes de sementes e os queijos de sementes fermentados também podem ser feitos com sementes de sésamo, de girassol ou outras.
Os alimentos fermentados feitos de soja incluem o miso (um caldo ou base) e o tamari (molho de soja). Contudo, há que ter algum cuidado na ingestão de miso e de tamari, uma vez que têm um elevado teor de sódio.
Por isso, não devem ser incluidos numa dieta mais de uma ou duas vezes por semana. Os misos branco e amarelo contêm menos sódio. Outros alimentos fermentados incluem a choucrute, o kim chee (uma mistura condimentada de couve e pimentos vermelhos usada no oriente) e os queijos fermentados como o Roquefort.
Além da limpeza do cólon, é importante remover periodicamente o excesso de muco do nariz, da garganta e os pulmões. Há duas espécies de muco – os mucos de lubrificação da mucosa. que são naturais e necessários em qualquer organismo – e os mucos patogénicos que são o resultado da ingestão de certos alimentos líquidos ou sólidos. Estes mucos patogénicos propagam germes, micróbios e bactérias. O leite de vaca e seus derivados são a fonte mais prolífica deste tipo de mucos. A alimentação e digestão deficientes também causam um fluxo acrescido de mucos (2).
A lavagem nasal ajuda muito – deitar água morna numa narina com a ajuda de um pequeno jarro (chamado «netti pot»). deixando-a sair pela outra.
Também há vários tubos na índia que são introduzidos por cada uma das narinas e depois retirados pela garganta. lsto aiuda a libertar o muco na área do nariz e da garganta. Existem ainda processos mais complexos para limpar os brônquios, o estômago e o cólon.
A pele é outro órgão de eliminação muito importante. Muitas toxinas acumulam-se na pele, o que contribui para os vários odores corporais que emitimos. As saunas e os banhos de vapor. especialmente nos meses de lnverno, quando normalmente não transpiramos. constituem excelentes métodos de limpeza da pele. As instalações de sauna. usadas por muitas tribos americanas nativas. são uma óptima forma de limpar tanto a mente
como o corpo.

Do livro: Manual Completo de Medicina Natural, de Marcia Satrck

Postado por: Isabel Pato


Notas: 1 Norman W. Walker, Coton Health:
walk Press, 1979), p. 11.
2 tbid., p. s9.

Artigos relacionados

Holler Box

Pin It on Pinterest

Shares
Share This