Uma função importante da lisina é proporcionar uma adequada absorção de cálcio. Serve também para formar colagénio (colagénio é a proteína que constitui a matriz dos ossos, as cartilagens e os tecidos conjuntivos).

Antes da lisina poder ser utilizada na formação de colagénio, tem de ser convertida noutra configuração; esse processo de conversão é regulado pela vitamina C. Sem vitamina C ou sem proteínas adequadas ao fornecimento de lisina, as feridas não curariam convenientemente e o nosso organismo tornar-se-ia mais suscetível à infeção.

O novo uso da lisina está no tratamento de herpes simples. O Dr. Chris Kagan e o Dr. R.W. Tinkersley, trabalhando no laboratório de um hospital de Los Angeles, notaram que o aminoácido arginina era sempre acrescentado à solução usada em culturas de células infetadas com o vírus do herpes. Quando a lisina era acrescentada ao meio de cultura, o vírus não se desenvolvia. Foi então sugerido que se usasse lisina clinicamente como meio de terapia em casos de herpes. Os médicos descobriram que ela suprimiu os sintomas de herpes em 90% dos 45 pacientes testados.

O herpes inativo pode ser combatido com um suplemento de lisina se o indivíduo procurar equilibrar o seu consumo ácido/alcalino através da dieta.

Do livro: Manual Completo de Medicina Natural, de Marcia Starck

Postado por: Isabel Pato

Artigos relacionados

Holler Box

Pin It on Pinterest

Shares
Share This