Nori

Paralelamente à kelp e à fuco, a alga marinha mais popular e mais amplamente consumida é a nori. A pórfira, a variedade púrpura esverdeada de nori (chamada «laver» em Inglaterra), é usada em várias comidas em Inglaterra e no País de Gales. Os japoneses usam-na em combinação com alimentos fritos porque ela faz baixar o colesterol e auxilia a digestão. A nori fornece vitaminas B e C, além de cálcio, potássio e fósforo.

Wakame

A wakame constitui cerca de 15% do total da colheita japonesa de algas marinhas. Está estreitamente relacionada com a kombu e é usada em sopas e saladas. Na América do Norte, a alaria é semelhante à wakame e contém vitaminas B e C, além de cálcio, magnésio, fosforo e potássio.

Arame

A arame é uma planta social que cresce em associação com outras algas marinhas, a ecklonia, e por vezes com a hijiki. O Japão é o único que colhe a arame para fins comerciais. Ela tem sido usada juntamente com a kombu e a hijiki para combater a tensão arterial elevada. É também usada como alimento de emergência em épocas de fome, já que mantém o seu sabor quando seca durante dois ou três anos. A partir desta alga e da ecklonia desenvolveu-se um substituto para o molho de soja.

Hijiki

A alga hijiki é usada juntamente com a arame e a wakame para combater a queda de cabelos. É muito rica em cálcio: uma porção de 100 gr fornece 1400 microgramas de cálcio, 14 vezes a quantidade fornecida por um copo de leite de vaca. É também muito rica em vitaminas A, B, B-2, niacina e C. A hijiki é usada na alimentação, uma vez que a planta seca se expande, tornando-se numa refeição substancial.

Agar-Agar e musgo-da-Irlanda

Agar é uma palavra malaia que significa «geleia». É um amido polissacarídeo complexo relacionado com a celulose que se encontra nas paredes celulares de certas espécies de algas vermelhas. O agar é usado para fazer barras de kanten (que quando quebradas libertam uma substância gelatinosa). Possui quantidades generosas de cálcio, iodo, fósforo e vitaminas A, B-1, B-6, B-12, biotina, C, D e E. Auxilia a ação intestinal e liga-se aos resíduos radioativos, transportando-os para fora do organismo.

O musgo-da-Irlanda, tal como o agar, é apreciado pelas suas propriedades gelatinosas. Tem também muitas utilizações de ordem medicinal. É recomendado para queixas escrofulosas, desinteria, diarreia e desordens dos rins e bexiga. O extrato de musgo-da-Irlanda é usado mediante prescrição médica em casos de úlcera péptica e duodenal. O cloreto de cálcio, um composto mineral que se encontra no musgo-da-lrlanda, atua como tónico cardíaco e mantém o equilíbrio glandular.

Do livro: Manual Completo de Medicina Natural, de Marcia Starck

Postado por: Isabel Pato

Pin It on Pinterest

Shares
Share This